Portugal com mais do dobro de recuperados do que casos novos

Há mais 2905 casos de infeção com o novo coronavírus e 6585 recuperados. Nas últimas 24 horas morreram 81 pessoas com covid-19. O relatório de situação da DGS indica que há também menos 104 pessoas internadas e menos 14 em unidades de cuidados intensivos, num total abaixo de 500 pela primeira vez desde 23 de novembro.

Há mais 2905 casos e mais 81 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas em Portugal, segundo os dados do relatório de situação da Direção-Geral da Saúde (DGS) desta terça-feira (8 de dezembro).

Desde o início da pandemia, já foram registados 327 976 casos em Portugal e 5122 mortes.

Há também menos 104 pessoas hospitalizadas, são agora 3263, e menos 14 em unidades de cuidados intensivos (são 499 no total). Desde 23 de novembro que o número de pessoas em UCI não estava abaixo dos 500 (eram 498 nessa data).

Esta terça-feira, há mais 6585 recuperados, mais do dobro dos novos casos. Desde o início da pandemia, foram já 252 428 os que ultrapassaram a doença. O número de casos ativos é de 70 426 (menos 3761 do que no boletim da véspera).

A região Norte é responsável por mais de metade dos novos casos (1584) e das novas mortes (44). Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo, com 758 novos casos e 22 mortes. Na região Centro há mais 418 casos e 13 mortes. No Algarve foram contabilizados mais 75 casos, mas nenhuma morte, ao contrário do Alentejo, onde houve uma, além de 40 novos casos.

A última morte foi registada nos Açores, onde foram contabilizados mais 15 casos. Os mesmos que foram registados na Madeira.

Dos 81 óbitos, 57 foram de pessoas com mais de 80 anos, 13 com doentes entre os 70 e os 79 anos, dez na faixa etária dos 60 aos 69 anos e um entre os 50 e os 59 anos.

Para o vírus não há Natal nem Ano Novo

A Ordem dos Médicos (OM) alertou esta terça-feira que para a SARS-CoV-2 não existe Natal nem Ano Novo e que todas as reuniões são oportunidades de transmissão e infeção, por vezes com consequências irreparáveis.

Numa nota enviada às redações, o bastonário e o Gabinete de Crise da OM para a Covid-19, afirmam que o número de novos casos de infeção por SARS-CoV-2 por cem mil habitantes nos últimos 14 dias, a nível nacional, se mantém "muito elevado", continuando a representar "um risco significativo para a segurança" de todos e a integridade do Serviço Nacional de Saúde.

"Neste período de maior festividade e proximidade familiar a adesão e o respeito pelas medidas de prevenção da transmissão da pandemia são essenciais e indispensáveis para protegermos os nossos familiares, e em particular os de maior risco, tais como os mais idosos e com doenças crónicas", lê-se no documento emitido pelos médicos.

Leia mais aqui

Mulher de 90 anos é a primeira a receber vacina no Reino Unido

A primeira pessoa do Reino Unido a receber a vacina contra a covid-19, desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer e a sua associada alemã BioNTech, foi uma mulher de 90 anos.

Margaret Keenan foi filmada enquanto lhe era administrada a vacina, por volta das 06:30, no Hospital Universitário de Coventry, no centro de Inglaterra.

Keenan, conhecida como Maggie, disse ter sido um privilégio ser a primeira a receber a vacina a poucos dias de completar 91 anos. "É o melhor presente antecipado de aniversário que podia desejar, porque significa que finalmente vou passar tempo com a minha família e amigos no ano novo, depois de ter estado sozinha na maior parte deste ano".

Saiba mais aqui

35 concelhos em "risco extremamente elevado"

Há 35 concelhos em risco extremamente elevado de covid-19, isto é, onde o nível de incidência é superior a 960 casos por cada cem mil habitantes a 14 dias (19 de novembro a 2 de dezembro).

Há uma semana, eram 50 os concelhos em risco extremamente elevado. Nos últimos sete dias, houve melhorias em 19 concelhos (Alcanena, Alfândega da Fé, Amarante, Amares, Castelo de Paiva, Cinfães, Celorico da Beira, Crato, Gondomar, Macedo de Cavaleiros, Manteigas, Maia, Marco de Canaveses, Oliveira de Azeméis, Ovar, Porto, Vale de Cambra, Valongo e Vila Nova de Gaia) que saíram do risco extremamente elevado, mas houve quatro que passaram para esse patamar (Marvão, Nisa, Valpaços e Vila Verde).

Veja a lista completa aqui

Mais Notícias

Outras Notícias GMG