Norte "abranda" mas especialistas estimam 1400 internamentos na próxima semana

Ainda que a situação epidemiológica aponte para uma "estabilização", as previsões do ISPUP indicam que na próxima semana a região pode contabilizar 1.400 a 1.500 internamentos nas unidades hospitalares.

A situação epidemiológica na região Norte está a começar a "abrandar", embora na próxima semana a região possa continuar a contabilizar 1.400 internamentos, 300 internamentos em unidades de cuidados intensivos e 40 óbitos diários, indicou esta sexta-feira um especialista.

Em declarações à agência Lusa, Milton Severo, responsável pelas projeções do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) afirmou que, nos "últimos cinco dias, os valores observados [na região Norte] têm sido inferiores aos das previsões", um "sinal positivo", demonstrativo de que, "finalmente, a região está a conseguir aplanar" os casos de infeção.

Ainda que a situação epidemiológica aponte para uma "estabilização", as previsões do ISPUP indicam que na próxima semana a região pode contabilizar 1.400 a 1.500 internamentos nas unidades hospitalares.

"Tivemos uma fase, entre 18 de outubro e 01 de novembro, em que os internamentos duplicavam a cada 11 dias. Nesta fase, estão a duplicar só a cada 60 dias, ou seja, está a diminuir claramente o crescimento", referiu Milton Severo.

No que aos internamentos em unidades de cuidados intensivos (UCI) concerne, as previsões do instituto do Porto apontam "para 300 a 340" doentes com o novo coronavírus, que provoca a covid-19.

Milton Severo afirmou ainda que a região deverá continuar a contabilizar, por dia, 3.000 a 4.000 casos de novas infeções pelo SARS-CoV-2 e 40 óbitos.

"Podemos dizer que estamos num planalto, isto é, que vamos manter estes números, até porque o índice de transmissibilidade [vulgarmente designado R] está a abrandar e ronda os 1.15 a 1.2 na região", disse

O ideal "seria, no entanto, que estes valores começassem a descer", afirmou.

Também Pedro Chamusca, da direção da Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) afirmou à Lusa que os mapas da distribuição geográfica da evolução da pandemia, feitos a partir dos dados da Direção-Geral de Saúde (DGS), mostram que a região está, tendencialmente, a começar a "atenuar" a situação epidemiológica.

"Há sinais de que estamos a conseguir atenuar os efeitos nos territórios com mais exposição. A tendência, agora, é começarmos a atenuar a situação a duas velocidades", disse.

De acordo com o responsável, nos territórios com menos indústria e necessidade de deslocações "a diminuição será mais rápida".

Para Pedro Chamusca, também investigador na Universidade de Aveiro, a "incidência não vai para valores razoáveis que permitam o aliviar de quaisquer medidas".

"Parece-me mais complicado inverter a tendência nos concelhos que têm uma grande exposição e forte atividade industrial", disse, considerando que estes territórios deveriam ser vistos "à lupa" por forma a encontrar "soluções para diminuir o número de casos".

Portugal contabiliza pelo menos 4.209 mortos associados à covid-19 em 280.394 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 08 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG