Maior registo de infeções na faixa etária entre os 20 e os 59 anos

Portugal registou mais 2447 casos e mais 27 mortes de covid-19 nas últimas 24 horas.

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 2447 casos de covid-19 e mais 27 mortes devido à doença.

Dos 27 óbitos, 13 ocorreram em Lisboa e vale do Tejo, oito na região norte, cinco no centro e um no Alentejo.

Segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) desta segunda-feira (26 de outubro), no total, desde que a pandemia começou, registaram-se 121 133 infetados, 69 956 recuperados (mais 1079) e 2343 mortes no país.

Neste momento, há 48 834 doentes ativos (+ 1341) a ser acompanhados pelas autoridades de saúde.

Em relação aos internamentos, o número de pessoas hospitalizadas continua a subir desde há mais de uma semana sendo agora 1672, mais 98 do que no domingo, e destas 240 (mais dez) estão em unidades de cuidados intensivos.

A região norte continua a registar o maior número de novas infeções diárias, hoje com mais 1633 casos, totalizando 51 932, e 1030 mortos, dos quais oito nas últimas 24 horas, desde o início da pandemia em março.

Na região de Lisboa e vale do Tejo foram notificados mais 580 novos casos de infeção, contabilizando a região 53 412 casos e 940 mortes, das quais 13 nas últimas 24 horas.

Na região centro registaram-se 167 novos casos, tendo sido ultrapassada a barreira das dez mil infeções pelo novo coronavírus (10 118) e 296 mortos.

No Alentejo foram registados 24 novos casos de infeção, contabilizando 2436 com um total de 37 mortos desde o início da pandemia.

A região do Algarve tem hoje notificados mais 27 casos de infeção, somando 2496 casos e 25 mortos.

Na região autónoma dos Açores foram registados mais cinco casos nas últimas 24 horas, somando 345 infeções detetadas e 15 mortos desde o início da pandemia.

A Madeira registou 11 novos casos nas últimas 24 horas, contabilizando 394 infeções, sem registo de óbitos por covid-19 até hoje.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

No total, o novo coronavírus já afetou em Portugal pelo menos 55 181 homens e 65 952 mulheres, de acordo com os casos declarados. Do total de vítimas mortais, 1197 eram homens e 1146 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nas pessoas com mais de 80 anos.

Vacina de Oxford produz "resposta imune robusta" em maiores de 55 anos

A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em colaboração com a empresa farmacêutica AstraZeneca produz "uma resposta imune robusta" em pessoas com mais de 55 anos, avança nesta segunda-feira o jornal Financial Times.

De acordo com a publicação, a vacina produz anticorpos neutralizantes, que bloqueiam partículas estranhas e linfócitos T, um tipo de glóbulo branco que destrói as células infetadas.

Em julho, um ensaio com mais de mil pessoas mostrou que também funcionava com pessoas entre 18 e 55 anos.

Esta notícia surge três dias depois de a AstraZeneca ter anunciado que ia retomar os testes da vacina contra a covid-19 com os seus voluntários.

Os testes da AstraZeneca foram interrompidos no início de setembro, depois de um voluntário participante no estudo desenvolver um problema sério de saúde, o que exigiu a revisão dos processos de segurança.

Merkel avisa que os próximos meses vão ser "muito difíceis"

A chanceler alemã avisou a Alemanha que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8685 nas últimas 24 horas.

"Vamos ter meses muito, muito difíceis pela frente", alertou Merkel no domingo à tarde, numa conferência interna com os chefes do grupo parlamentar conservador dos estados federais, segundo a edição desta segunda-feira do jornal Bild.

A chanceler também admitiu estar preocupada com o encontro de dia 30 entre as autoridades regionais e disse não ter "um pressentimento muito bom".

"Isto não pode continuar assim", considerou, referindo que os contágios deverão continuar a aumentar fortemente e que, pelo menos até fevereiro, será necessário renunciar a eventos de grandes dimensões, mesmo em espaços exteriores.

A chanceler considerou ainda que grande parte da responsabilidade pelo aumento das infeções foi "das viagens de férias".

Pandemia já provocou a morte de mais de 1,15 milhões de pessoas

A pandemia do novo coronavírus já causou pelo menos 1 155 301 mortos em todo o mundo desde que a doença foi conhecida em dezembro na China e até às 11.00 TMG (12.00 em Lisboa), indica um balanço da AFP.

Mais de 43 080 500 casos de infeção foram registados desde o início da pandemia e pelo menos 29 194 100 pessoas foram consideradas curadas, adianta um balanço realizado pela agência de notícias francesa AFP.

O número de casos diagnosticados apenas reflete uma fração do número real de contaminações já que diversos países apenas testam os casos mais graves, outros privilegiam os testes para rastreio e numerosos países pobres apenas dispõem de capacidades limitadas de despistagem.

Nas últimas 24 horas, registaram-se 4313 novas mortes e mais 408 969 infetados em todo o mundo, tendo os países que registaram mais mortes no último dia sido a Índia (480), os Estados Unidos (461) e o Irão (337).

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela covid-19, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 225 239 mortos entre 8 636 995 casos, segundo o balanço da universidade Johns Hopkins.

* com Lusa

Mais Notícias