Incêndio em cobertura de prédio em Campo de Ourique já foi extinto

O fogo que deflagrou na cobertura de um prédio de habitação em Campo de Ourique, em Lisboa, estava pelas 20 horas dado como "em resolução" pelos Sapadores Bombeiros de Lisboa.

Um edifício situado na rua Tenente Ferreira Durão, em Campo de Ourique, Lisboa, foi esta segunda-feira atingido por um incêndio, que foi combatido por cerca de 50 operacionais dos Sapadores de Lisboa e dos Voluntário de Campo de Ourique. O fogo começou às 17.30 na cobertura do prédio e "está controlado" desde as 18:30, e "praticamente extinto". Cerca das fonte dos bombeiros deu o sinistro como em resolução, sem haver feridos a lamentar.

"Estamos neste momento a verificar a estabilidade do edifício para ver se há condições de habitabilidade", disse à agência Lusa o comandante do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, Tiago Lopes, acrescentando que o prédio foi construído num misto de madeira e de pedra.

Segundo o comandante, "quase de certeza" que o último piso não terá condições de habitabilidade uma vez que "parte do telhado abateu".

O edifício onde se deu o incêndio tem 10 fogos, mas só sete estavam habitados, num total de 11 pessoas.

De acordo com informação da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o incêndio habitacional na freguesia de Campo de Ourique, em Lisboa, mobilizou um total de 51 operacionais e 17 veículos.

"Temos bastantes meios no local, mas está controlado", reforçou, durante a tarde, o comandante Tiago Lopes, explicando que o incêndio deflagrou na cobertura de um prédio de habitação no número 19 da rua Tenente Ferreira Durão, na freguesia lisboeta de Campo de Ourique.

Em declarações aos jornalistas no local, o primeiro comandante do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa adiantou que todas as pessoas e animais que se encontravam dentro do prédio no início do incêndio foram retiradas. Indicou que "não há vítimas a registar".

"Quase de certeza que no piso de cima - as águas furtadas - vai ter de haver realojamento, mas ainda é muito cedo para esses dados, ainda não os temos, ainda estamos na fase do combate ao incêndio", disse Tiago Lopes, acrescentando que, se houver necessidade de realojamento, há essa disponibilidade por parte da Câmara Municipal de Lisboa.

Questionado sobre a origem do incêndio, o comandante do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa disse que ainda não há essa informação, destacando a ação "extremamente rápida" de combate ao incêndio, com o apoio dos Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique.

Pelas 19:15, o incêndio estava "praticamente extinto", com os bombeiros a trabalharem nas ações de rescaldo, referiu o comandante Tiago Lopes, apontando para um novo ponto de situação dali a meia hora.

No local, a essa hora, estavam "aproximadamente 60 operacionais", desde os bombeiros aos operacionais da Polícia de Segurança Pública, da Polícia Municipal e do serviço municipal de Proteção Civil, apoiados por 27 viaturas, precisou o comandante.

Sobre o corte da rua Tenente Ferreira Durão, o comandante dos bombeiros explicou que vai continuar interditada ao trânsito "enquanto não houver segurança por parte dos operacionais para trabalharem à vontade".

Após as ações de rescaldo, os operacionais vão "avaliar as condições de segurança e de habitabilidade do edifício", inclusive para saber se há necessidade de realojamento.

A rua Tenente Ferreira Durão continuava pelas 20:00 cortada ao trânsito porque "há elementos estruturais do edifício que podem estar em queda", explicou à Lusa o comandante dos Sapadores.

Tiago Lopes disse ainda que a PSP está no local a investigar para tentar perceber qual foi a origem do incêndio.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG