Évora. Desapareceram brinquedos da pediatria e hospital vai apresentar queixa

Campanha nas redes sociais ajudou enfermeira a comprar brinquedos para humanizar urgência pediátrica de Évora. Conseguiu mil euros, mas as peças desapareceram.

Uma enfermeira deitou mãos à obra para a ajudar humanizar a renovada urgência pediátrica do Hospital de Évora. Uma campanha nas redes sociais permitiu-lhe angariar mil euros para comprar brinquedos que encheram o serviço. Mas em poucos dias alguns utentes levaram muitas peças para casa. As que sobraram estão bem guardadas noutras valências, mas a urgência ficou sem brinquedos e o hospital vai apresentar queixa na PSP.

"É tão triste assistir a isto depois de todo o esforço que se fez", lamenta a enfermeira Carmen Garcia, blogger nos tempos livres, assumindo-se nas redes sociais como a "mãe imperfeita". Foi através da sua página no Facebook que lançou uma campanha de angariação de fundos para comprar brinquedos destinados a equipar a urgência pediátrica eborense.

Aquela unidade acabava de ser sujeita a obras de requalificação e ampliação, vindo a reabrir em meados de dezembro de 2019, após um investimento de quase 400 mil euros, com apoio de fundos comunitários. Até então recebia cerca de 20 mil utentes por ano, tendo duplicado a sua capacidade de atendimento. Porém, o próprio hospital não tinha verbas para dotar de brinquedos a sala de espera.
Carmen Garcia juntou cerca de mil euros à boleia da ação solidária levada cabo nos dias do Pai e da Mãe."Um designer trabalhou connosco gratuitamente e fez uma coisa muita gira. Vendemos canecas no Dia do Pai e garrafas no Dia da Mãe. Trabalhámos quatro meses nisto, mas ficámos muito contentes, porque a verba angariada foi bastante simpática", relata.

O projeto da blogger já tinha, entretanto, assegurado a aprovação do Conselho de Administração do Hospital do Espírito Santo (assim se chama o hospital de Évora). "Eles também ficaram contentes, porque isto resolvia o problema, já que não havia nada para pôr na sala", refere.

Em novembro Carmen Garcia viajou até Lisboa, acompanhada pela pediatra responsável do serviço, numa carrinha do próprio hospital. Deslocou-se ao IKEA, onde encheu dois carrinhos de compras com brinquedos.

Gastou 500 euros em camas de bonecas, cozinhas, brinquedos de encaixe, pistas de carros, rolos de papel, canetas, marcadores, lápis de cera, duas mesas coloridas, seis cadeiras e seis bancos, além de uma cozinha, que permitia às crianças brincarem com miniaturas de tachos, panelas, cestas, legumes e frutas. Parte da verba ainda foi aproveitada para comprar loiça que também fazia falta.

"Mas as coisas não resistiram. Começou tudo a desaparecer e tivemos que fechar o que ainda sobrou. A sala de espera está hoje sem nada", descreve Carmen Garcia, relatando o caso de uma auxiliar do hospital que viu uma pessoa levar um dos bancos debaixo do braço. Ainda tentou impedir, mas sem sucesso. "Nós queremos o Serviço Nacional de Saúde humanizado, mas o problema é que há sempre forças contrárias", acrescenta indignada a enfermeira.

Solução? Os brinquedos que resistiram ao saque estão hoje fechados. "Foi tudo puxado para dentro. Alguns brinquedos foram colocados nas salas das crianças com patologias respiratórias - já depois da triagem - e os outros estão no Serviço de Observação, onde as crianças chegam a estar internadas por períodos de 24 e 48 horas."

Assegura que "não há hipótese de voltar a pôr os brinquedos na urgência. É a resposta à falta de civismo", acrescenta, justificando que decidiu agora denunciar o episódio na sua página do Facebook como resposta às pessoas que colaboraram com campanha e que deixaram de ver os brinquedos na sala de espera.

"Depois também é verdade que fizemos um grande esforço para que a urgência, onde os meus dois filhos também vão, estivesse dignamente equipada para receber as crianças", refere, admitindo que ainda teve prejuízo pessoal na carteira. "Eu e uma amiga estivemos a expedir encomendas. Ainda tivemos uma chatice, porque os CTT partiram algumas canecas, que tive de pagar do meu bolso", diz.

Contactado pelo DN, o hospital garante que vai apresentar queixa na polícia, sublinhando que "a requalificação do espaço foi resultado de um grande esforço pela parte de todos". Fonte da administração lembra os "patrocinadores que permitiram melhorar a qualidade e a amenidade do acolhimento dos pequenos utentes e dos seus pais e familiares", adjetivando de "lamentável esta falta de responsabilidade cívica".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG