Lisboa e Vale do Tejo com 60% dos novos casos. Há 36984 recuperados

O país regista mais um morte por covid-19 e mais 153 novas infeções, segundo o boletim epidemiológico da DGS.

Portugal registou mais 153 novos casos de covid-19, e mais um morto, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde de domingo. O que perfaz, desde o início da pandemia, 51463 casos. Há neste momento mais 196 recuperados e menos seis internados, num total de 375 doentes, 40 dos quais em unidades de cuidados intensivos.

A vítima mortal registada no boletim deste domingo, um homem na casa dos 60 anos, que vivia na região de Lisboa e Vale do Tejo. A DGS dá nota ainda de 1738 óbitos desde o início da pandemia e 36984 pessoas recuperadas da doença no mesmo período.

Dos 153 novos casos detetados nas últimas 24 horas, 92 são na região de Lisboa (26.323), ou seja 60% das novas infeções, sendo que o Norte soma 38 casos (18.780), o Centro seis (4455), o Alentejo mais sete (743) e o Algarve mais oito (887). Os Açores não registaram novos caos, mantendo-se nos 167, e a Madeira tem mais dois, num total de 108.

Estados Unidos ainda com mais de mil mortos

Nos Estados Unidos os números continuam a ser astronómicos, já que nas últimas 24 horas registaram-se 1.181 mortos e 61.270 infetados com o novo coronavírus, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números elevam o total de mortes para 154.319 e o de casos confirmados para 4.611.517.

O balanço realizado às 20:00 de sábado (1:00 de hoje em Lisboa) pela agência de notícias Efe confirmou ainda que apesar de Nova Iorque não ser mais o estado com o maior número de infeções, ainda é a mais atingido em termos de mortes nos Estados Unidos, com 32.694, mais do que França ou Espanha. Somente na cidade de Nova Iorque morreram 23.536 pessoas. O saldo provisório de mortes já excedeu em muito as mais baixas estimativas da Casa Branca.

Trump estava confiante de que o número final seria entre 50 mil e 60 mil mortes, embora mais tarde tenha subido a estimativa para 110 óbitos, um número que também foi excedido.

Já o Instituto de Métricas e Avaliações de Saúde da Universidade de Washington, cujos modelos de previsão da evolução da pandemia têm servido de base para os cálculos feitos a partir da Casa Branca, indica atualmente que os Estados Unidos vão chegar às eleições presidenciais de 03 de novembro atingir os 230 mil.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 680 mil mortos e infetou mais de 17,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias FRance-Presse (AFP).

Brasil acima dos 45 mil casos de infeção

O Brasil também não anda muito longe dos EUA e registou 1.088 mortes e 45.392 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde do país.

Desde que a pandemia provocada pelo novo coronavírus chegou ao maior país da América do Sul, em 26 de fevereiro, quando o primeiro caso foi notificado, o Brasil já registou 93.563 mortes e 2.707.877 infeções causadas pelo vírus.

O Governo brasileiro também atualizou o número de pessoas recuperadas da covid-19, que totalizam até hoje 1.865.729, enquanto os pacientes que ainda estão em acompanhamento são 748.585.

Um consórcio de empresas de comunicação social que também divulga os números da pandemia recolhidos junto das secretarias de saúde dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal anunciou que o país somou 42.578 casos da doença no último dia, atingindo um total de 2.708.876 infeções. Nas últimas 24 horas, este consórcio confirmou 1.048 mortes devido ao novo coronavírus, contabilizando agora um total de 93.616 óbitos. Os 'medias' brasileiros também informaram que o Brasil registou em julho o maior número de mortes desde que a covid-19 chegou ao país (32.912).

Com Lusa

Mais Notícias