Confinamento obrigatório para quem recuse teste na chegada à Madeira

Ficam também obrigados ao confinamento, se necessário compulsivo, os doentes com covid-19 e outros cidadãos a quem a autoridade de saúde tenha determinado vigilância ativa.

Os passageiros que viajem para a Madeira e se recusem a fazer teste de despistagem à covid-19 incorrem num crime de desobediência, podendo as autoridades de saúde determinar o confinamento obrigatório por 14 dias, anunciou hoje o Governo Regional.

"O viajante que se recuse a realizar o teste de despiste PCR ao SARS-Cov2 incorre no crime de desobediência e a autoridade de saúde pode, no âmbito das suas competências, determinar o confinamento obrigatório no período de tempo necessário a completarem-se 14 dias desde a sua chegada à região em estabelecimento hoteleiro para o efeito, sendo os custos de hospedagem imputados ao viajante", disse hoje o secretário regional da Saúde da Madeira, Pedro Ramos.

Numa conferência de imprensa em que foram anunciadas novas medidas a implementar na região no âmbito do combate à pandemia de covid-19, entre as quais o uso obrigatório de máscara em todos os espaços públicos, Pedro Ramos adiantou que ficam também obrigados ao confinamento, se necessário compulsivo, os doentes com covid-19 e outros cidadãos a quem a autoridade de saúde tenha determinado vigilância ativa.

Esse período de confinamento obrigatório por um período de 14 dias poderá ser feito no respetivo domicílio, em estabelecimento de saúde ou em estabelecimento hoteleiro.

Ilha mantém oito casos ativos e 97 doentes recuperados

A Madeira mantém oito casos ativos de covid-19 e 97 doentes recuperados, de um total de 105 infeções registadas na região desde o início da pandemia, anunciou o Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE).

"Não havendo casos novos positivos a reportar, a região registou até à data 105 casos confirmados de covid-19, dos quais 97 são casos recuperados e oito são casos ativos", é referido no boletim diário da situação epidemiológica na Região Autónoma da Madeira.

Destes oito casos ativos, cinco são "importados e identificados no contexto das atividades de vigilância implementadas na Unidade de Rastreio de covid-19 do aeroporto da Madeira" e três são casos de transmissão local.

Sete pessoas permanecem em isolamento numa unidade hoteleira e uma outra está em isolamento em casa, é ainda indicado no boletim.

Neste momento estão a ser acompanhadas pelas autoridades de saúde dos concelhos da região 12.253 pessoas, mais 70 em relação a segunda-feira, das quais 5.119 estão em vigilância ativa (mais 32).

Até segunda-feira tinham sido contabilizadas na região 1.563 notificações de casos suspeitos de covid-19, 1.458 das quais não se confirmaram.

Ainda segundo a IASAÚDE, nas últimas 24 horas foram feitos 54 contactos para a linha SRS24, tendo até agora sido feitas um total de 10.148 chamadas.

Também até segunda-feira já tinham sido feitos 41.435 testes à covid-19 na Região Autónoma da Madeira.

Só nas operações de rasteio a viajantes à entrada nos aeroportos da Madeira e do Porto Santos, até às 16:00 de hoje, realizaram-se 14.146 colheitas para testes à covid-19.

Em Portugal, morreram 1.722 pessoas das 50.410 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 654 mil mortos e infetou mais de 16,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias