Centenas nas ruas de Lisboa e Porto em manifestações contra o racismo

Manifestantes contra fascismo, o racismo e pela liberdade e direitos cívicos, depois das tentativas de intimidação a três deputadas e a sete ativistas antifascistas e antirracistas

Centenas de pessoas concentraram-se este domingo nas duas principais cidades do país, Lisboa e Porto, contra o racismo, o fascismo e pela liberdade e direitos cívicos, depois das tentativas de intimidação a três deputadas e a sete ativistas antifascistas e antirracistas durante a semana.

Manifestantes em Lisboa contra "crescente à-vontade da extrema-direita"

Por volta das 15:00, hora marcada para a concentração no Largo Camões, já muitos se juntavam em torno da estátua do poeta onde, num modelo de microfone aberto, quem quis subiu ao palco para falar a quem ali se dirigiu.

Breves discursos intervalados por palmas da assistência e pelas palavras de ordem mais repetidas - "Não passarão" - foram-se sucedendo entre quem fez questão de marcar presença para condenar o mais recente episódio de racismo em Portugal, em investigação pelo Ministério Público, que pretende apurar os factos relativos ao email intimidatório enviado a três deputadas e representantes de organizações de combate ao fascismo e ao racismo por um grupo conotado com a extrema-direita, a Nova Ordem de Avis -Resistência Nacional, ao qual também se atribui a organização da concentração frente à sede da SOS Racismo.

Rita Osório, da Frente Unitária Antifascista e uma das responsáveis pela organização da concentração deste domingo tem o nome entre os 10 que constam da lista, declarou-se surpreendida com a quantidade de pessoas ali presentes, mas esperando que ainda pudessem chegar mais. Menos surpreendida está com o escalar das ações violentas da extrema-direita no país.

"A Frente Unitária Antifascista sempre tentou avisar que a extrema-direita se estava a desenvolver e a ganhar força", disse apontando o dedo a quem diz ser a cara do crescendo do discurso de ódio, racista e xenófobo em Portugal, dando força a grupos extremistas e legitimando o seu comportamento violento: o deputado André Ventura, do Chega.

Das autoridades públicas e das forças políticas disse que esperava mais e recusa o apelo à calma do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

"Nós não podemos ter calma como o nosso Presidente da República pediu, não podemos, porque nós é que estamos na linha da frente, nós é que estamos a receber essas ameaças. Por isso é impossível termos calma quando temos cada vez mais organizações racistas e fascistas a ganhar palco e espaço", disse, lembrando que o artigo 46.º da Constituição as proíbe.

A Constituição, e o seu artigo 46.º, que proíbe organizações racistas ou de ideologia fascista, andava hoje na boca de todos e nos cartazes de muitos. Como no de Inês Lopes, que dizia simplesmente "Constituição. Artigo 46.º", o artigo que ela própria só descobriu depois dos últimos acontecimentos no país em matéria de racismo a terem levado a ler a lei.

Proibir o fascismo na Constituição não chega? "Aparentemente não chega. Só chega um Chega", ironizou.

Inês Lopes não tem dúvidas no retrato que trata da sociedade portuguesa: "Normalizada com o racismo, portanto racista".

"Acho que falta empatia e acho que existe uma grande hipocrisia portuguesa, porque temos que reconhecer que existe racismo. Todos nós somos racistas e fomos ensinados subtilmente ou diretamente a tal. Como tal, precisamos de reconhecer primeiro que o somos. Faltam mais manifestações como esta, falta falar sobre isto", defendeu.

Para a manifestante estar ali, no Largo Camões, em 2020, pelos motivos que estava, é coisa que "não faz sentido em pleno século XXI". Ou até pode fazer, dependendo da atenção que se preste à História.

"Sabe-se que a História é circular e às vezes é preciso sermos relembrados que certas coisas podem, de facto, acontecer novamente. Por isso é que existem Constituições. É preciso ter ali um lembrete que nos diga que se calhar há o perigo de isto voltar a acontecer. [...] O racismo existe, assim como o discurso fascista, claramente. Como tal, temos que estar aqui", disse.

A História repete-se, sobretudo, por ignorância, defendeu Cláudia Santos, que partilha o sentimento de "absurdo" de sair à rua para defender direitos e liberdades conquistadas. Circulava com um cartaz onde se lia "Já liam mais", porque é ignorância que vê quando vê a História a repetir-se populismo que alimenta uma dimensão crescente dos discursos de ódio.

"Acho completamente absurdo o despudor das pessoas, o quão confortáveis elas estão para cometer crimes. Acho que as pessoas estão-se a sentir confortáveis e estão-se a sentir legitimadas também por alguns representantes que começam a encontrar", nomeadamente no parlamento, disse.

A mudança, disse, pode começar na escola: "A educação tem um papel bastante importante. Vamos não esquecer que uma boa parte do nosso programa, em especial de História, ainda descende muito do Estado Novo e sinto que é por isso também que as pessoas se sentem tão à vontade com sentir nacionalismo".

João Monteiro, dirigente do Livre, foi dos primeiros a pegar no microfone para falar aos manifestantes, aos quais disse que não esperava estar a viver aquilo que se está a viver no país. À Lusa disse que o momento é "inacreditável e inaceitável" e que fazer listas com nomes de pessoas e ameaça-las é "terrorismo interno", em relação ao qual espera ação da polícia e esperava uma ação diferente dos partidos.

"Acho que todos os partidos democráticos, da esquerda à direita, se devem unir e condenar este tipo de atitudes que são atentatórias dos direitos dos cidadãos", disse.

Erguido bem alto acima da cabeça da manifestante que o segurava e na direção de quem discursava, um cartaz alertava que "estamos a perder Abril", com um cravo murcho a reforçar a ideia. Ao microfone sucediam-se intervenções que culminavam quase todas numa ideia chave: a importância de agir e de não ficar em silêncio.

Ao microfone, um jovem brasileiro a viver em Portugal há 14 anos deixou um agradecimento: "Obrigada por estarem aqui hoje, a lutar pelo meu direito de viver aqui não sendo português".

Imediatamente a seguir, outra jovem brasileira, advertiu os portugueses que ainda se sentem confortáveis com o país onde vivem. Na posição de quem "assistiu de perto à ascensão de Bolsonaro" apontou o dedo ao "silêncio de quem acha que não é nada com eles" e pediu aos presentes para responsabilizarem amigos e familiares por não estarem ali com eles.

"Ainda não é tarde demais para Portugal, mas amanhã pode ser", disse.

300 pessoas em concentração no Porto contra a intimidação

Entre os manifestantes concentrados no Porto encontrava-se Luís Lisboa, coordenador do núcleo de Guimarães da Frente Unitária Antifascista (FUA), um dos primeiros ativistas a formalizar queixa-crime pelas ameaças e que disse encontrar-se já sob proteção policial.

"Temos de nos insurgir contra esta vil ameaça. Isto não passa de terrorismo", afirmou aos jornalistas.

Este tipo de ameaças, sublinhou, "só se pode combater com a decência, com a fraternidade, com a solidariedade e com o levantamento popular. Isto não é um ataque a dez pessoas, é um ataque a todo o país. E todo o país tem de combater, mais do que nunca, estas tentativas de retrocesso, de voltar ao passado".

Durante a concentração, que prosseguia pouco depois das 16:00 e que estava a ser acompanhada por um discreto dispositivo policial, mas sem quaisquer incidentes, ouviram-se palavras de ordem como "fascismo nunca mais".

Também presente no protesto do Porto, outra ativista da FUA, Andreia Santos, recusou a "cedência ao medo", face às tentativas de intimidação.

"Medo não é o que nos move. Não o sentimos e não vamos de deixar de ser antifascistas. Se vão recorrer a métodos pidescos, não nos vão intimidar", garantiu, num discurso pautado por críticas à legalização do partido de extrema-direita Chega, que lhe permitiu eleger um deputado.

Mas recusou que o Chega seja, por si só, culpado disto tudo.

"O Chega não é a causa. O Chega veio normalizar o discurso da extrema-direita", acrescentou.

Tino de Rãs, do partido RIR, juntou-se igualmente ao protesto, "a pedido da filha", porque - disse - "é preciso lutar contra aqueles que andam à boleia da democracia".

Nos últimos dias, três deputadas e sete ativistas foram alvo de ameaças por uma autoproclamada "Nova Ordem de Avis - Resistência Nacional", que reivindicou também uma ação junto à associação SOS Racismo.

Na quinta-feira, o Ministério Público instaurou um inquérito-crime ao assunto, um dia depois de o dirigente da SOS Racismo Mamadou Ba ter prestado declarações na Polícia Judiciária e ter confirmado a receção, juntamente com mais nove pessoas, de uma mensagem de correio eletrónico a estipular o prazo de 48 horas para abandonar o país.

Ao comentar as ameaças, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recomendou aos democratas "tolerância zero" e "sensatez" para combater o racismo.

Tal como o Governo, que condenou estas ações como "uma ameaça à própria democracia", o presidente da Assembleia da República e vários partidos repudiaram as ameaças feitas aos ativistas e à associação.

Mais Notícias