Inalação por monóxido de carbono terá provocado a morte a casal e criança de 10 anos

As vítimas são uma mulher, o companheiro e o seu filho de 10 anos. Inalação de monóxido de carbono deverá ser a causa da morte.

Três pessoas foram encontradas sem vida em casa esta manhã na Aldeia de Joanes, no Fundão. As vítimas são uma mulher de 35 anos, um homem de 28 e um rapaz de 10 anos, confirma o INEM. A morte terá sido provocada pela inalação de monóxido de carbono, disse à Lusa o coordenador da Polícia Judiciária da Guarda, José Monteiro, que lidera a investigação do caso.

"Neste momento, tudo aponta no sentido de a morte ter sido acidental e provocada pela inalação de monóxido de carbono, resultante do mau funcionamento de um esquentador e do respetivo sistema de exaustão", referiu aquele responsável, ressalvando que a primeira análise terá de ser confirmada pelos exames médicos e pelas perícias técnicas.

O alerta foi dado pela GNR cerca das 10:50.

Um ambulância do INEM do Fundão, uma viatura médica de Emergência e outra ambulância do Bombeiros Voluntários da Covilhã estiveram no local.

O óbito do casal e da criança foi confirmado no local. Segundo o INEM, haveria sinais de que a morte teria acontecido algum tempo antes.

Uma equipa de psicólogos do INEM também foi enviada para o local, na Aldeia de Joanes, no concelho do Fundão.

Segundo o Jornal do Fundão, o primeiro sinal de alerta partiu da escola que contactou o pai quando a criança não apareceu.

O pai fez as primeiras buscas e contactou a GNR. O alerta para a situação foi dado às 10:45 de hoje, sendo que à chegada ao local os militares encontraram as três pessoas já mortas, designadamente mãe e filho e o companheiro da mulher.

Dado a natureza do sucedido, a investigação passou para a alçada da PJ, que esteve até ao início da tarde no local.

Contactado pela agência Lusa, o coordenador da PJ da Guarda, José Monteiro, referiu que não foram recolhidos elementos que façam suspeitar de que o caso tenha natureza criminal.

Este responsável ressalvou, todavia, que a primeira análise terá de ser confirmada pelos resultados dos exames médico-legais que serão feitos às vítimas, designadamente de natureza química e toxicológica, que visam verificar se houve inalação de monóxido de carbono.

Segundo acrescentou, também serão feitas perícias de natureza técnica no local para verificar se efetivamente se registam fugas excessivas relacionadas com este gás.

(Notícia atualizada às 17:47 com declarações do coordenador da Polícia Judiciária da Guarda)

Mais Notícias

Outras Notícias GMG