Merkel exige refugiados a falar alemão. Faz bem

AAlemanha quer que os candidatos a asilo aprendam a língua e vai penalizar aqueles que recusem ter aulas. Mas o projeto da chanceler Merkel está já a ser criticado pela Pro Asyl, ONG de defesa dos refugiados sediada em Frankfurt e criada há 30 anos por um pastor protestante. Argumenta a organização que ao fazer ameaças as autoridades reforçam a ideia de que os refugiados não pretendem integrar-se na sociedade, quando, insiste, é o governo que falha na oferta de oportunidades de ensino, formação e emprego.

É uma crítica injusta a Merkel, que tem sido defensora de acolher os refugiados, sobretudo os da guerra na Síria, oferecendo-lhes nova vida. E mesmo criticada pelo seu partido, a chanceler democrata-cristã tem-se mantido fiel a esse ideal, quase um compromisso ético por parte desta política criada por um pai (também) pastor luterano.

Ora, aprender a língua do país de acolhimento é uma vantagem para qualquer imigrante ou refugiado. Evita que fique confinado a um gueto e oferece verdadeiras oportunidades de integração. Do ponto de vista da sociedade que recebe alguém vindo de fora é o mínimo a exigir. Significa não só um compromisso pessoal com o novo país como é a prova de que existe vontade de fazer parte da sociedade que, por razões altruístas ou não, se disponibiliza para receber gente com uma matriz cultural diferente. Basta olhar para a história das nações construídas por imigrantes, como os Estados Unidos ou o Brasil, para se perceber que só assim pode funcionar bem a integração. E o mesmo se pode dizer de países como a França e a Grã-Bretanha.

A própria Alemanha, que a partir da década de 1960 recebeu uma vaga de trabalhadores turcos, tem essa experiência. Só quando falam a língua e se integram de corpo e alma na sociedade os membros dessa comunidade de três milhões de pessoas podem reclamar pertença à nova nação, como é o caso de Cem Ozdemir, que foi líder dos Verdes, ou Mesut Ozil, futebolista campeão do mundo. Claro que isso é mais fácil com a segunda geração, mas tem de ser tentado também para quem chega já adulto.

Considerar abusiva a imposição da aprendizagem da língua alemã, quando a maior parte dos refugiados que tentam entrar na Europa sonha em chegar a Berlim ou Munique, é errado. E qualquer tentação de comparar estas medidas agora pensadas com a lei aprovada na Dinamarca que apreende bens aos refugiados é demagógica. Talvez alguém se lembre da forma como alguns países da UE impõem o domínio da língua oficial para se ser cidadão, como é o caso da Estónia e da Letónia à minoria russófona, mas o criticável nesses casos é que em nome da afirmação da identidade nacional se ponha em causa direitos básicos de gente idosa, já nascida nesses países. Talvez aquilo que a Alemanha esteja a pedir aos refugiados possa ser comparado, no sentido benigno, com a exigência que o Canadá faz aos candidatos à nacionalidade de que provem ser falantes de inglês ou de francês.

A questão das aulas de alemão faz parte de um pacote mais vasto de medidas negociadas pela coligação governamental para afastar as tensões entre Merkel, a ala bávara dos democratas-cristãos liderada por Seehofer, e os sociais-democratas de Gabriel. Com a Alternativa para a Alemanha a obter bons resultados nas eleições regionais com base num discurso antirrefugiados, Merkel teve de agir, venha ou não a ser candidata a um quarto mandato em 2017. Por um lado, o acordo com a Turquia parece estar a estancar a chegada de refugiados. Por outro, este pacto agora com os parceiros deve tranquilizar tanto as bases de Seehofer, que receiam a capacidade de integração de um milhão de pessoas na sua esmagadora maioria muçulmanos, como as bases de Gabriel, que exigem mais benesses do Estado para os alemães.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG