Jornalismo de 'paparazzi'

Entre os jornalistas, vários paparazzi." Ouvida numa peça televisiva sobre o casamento do príncipe britânico, a frase terá passado tão despercebida à maioria dos que a ouviram como pareceu normal ao jornalista que a escreveu.

E é-o de facto: quem hoje em dia sabe o que é um jornalista? Qualquer pessoa que apareça na TV de microfone na mão, certo? Qualquer um que capte imagens ou escreva textos. Mesmo se, como os paparazzi, persiga as chamadas "figuras públicas" para tirar fotos não autorizadas, captadas de longe e às escondidas, de situações da respectiva vida privada - fotos que configuram, ao ser publicadas, crime.

Mas não só a maioria das pessoas acha que os paparazzi fazem jornalismo como é provável que muitos tenham carteira profissional de jornalista. Afinal para a conseguir basta que uma entidade registada como órgão de comunicação social ateste que o cidadão em causa - que pode até limpar o pó na redacção - faz trabalho de jornalista. Como a entidade que emite as carteiras profissionais nunca verifica se aquela pessoa faz trabalho de jornalista, toda a gente pode ter uma carteira. E se tem carteira, faz "jornalismo": é tautológico.

Mas, dir-se-á, não há regras? Então não há. Vertidas em lei e tudo. Por exemplo: "Não recolher imagens e sons com recurso a meios não autorizados a não ser que se verifique um estado de necessidade (...) e o interesse público o justifique"; "Preservar, salvo razões de incontestável interesse público, a reserva da intimidade, bem como respeitar a privacidade de acordo com a natureza do caso e a condição das pessoas"; "Identificar, como regra, as suas fontes de informação, e atribuir as opiniões recolhidas aos respectivos autores"; "Informar com rigor e isenção, rejeitando o sensacionalismo e demarcando claramente os factos da opinião".

Claro que não só jamais um paparazzo cumprirá qualquer destas regras como existem órgãos de comunicação social cuja definição programática é incumpri-las - caso da "imprensa rosa". No entanto, não há memória de um único gesto da entidade que tem a função de fiscalizar o cumprimento do Estatuto de Jornalista, a Comissão da Carteira, no sentido penalizar essa violação reiterada. Quanto mais retirar uma carteira: credo, que violência, que horror.

Pacífico mesmo é permitir que os jornalistas que cumprem as regras convivam, na mesma designação e estatuto e, não despiciendo, no mesmo mercado, com os que fazem profissão de não as cumprir. Que se confundam uns e outros, e que os maus (não, não tenhamos medo das dicotomias éticas) contaminem os bons. A ponto de ser tal a baralhada que quem isto denuncie passe por censor e inimigo do jornalismo e pária. Até que paparazzi e jornalistas não se distingam mesmo. Ou até que alguém tenha enfim a coragem de mudar a lei - já que os jornalistas não a têm para salvar o jornalismo.

Mais Notícias