Visite Portugal...Ao sul de Badajoz!

Quantas vezes não se ia a Espanha, principalmente a Badajoz, vindo-se de Lisboa, Évora, Estremoz, Portalegre, e passando por Elvas, para fazer compras, ou passear, ou em busca de divertimento, perdendo-se por algumas horas, ou até por alguns dias, o contacto com Portugal?
Se em Badajoz, por fim, se decidisse voltar a Portugal, a primeira ideia que nos ocorreria, se viéssemos de Elvas, era fazer dez quilómetros e regressar a esta cidade.
Já então havia alternativa. Em vez de regressar a Elvas, de imediato, podia ir 20 Quilómetros para o Sul/Sudoeste. E, neste caso, atenção! A partir do quilómetro 17 do Estrada que liga Badajoz a Alconchel, encontraria (e continua a encontrar!) uma região que merecia uma visita. A partir da Ribeira de Olivença, estava (e está! Vou deixar de usar o pretérito, por ser absurdo, e falar sempre no presente...) a entrar no Território Histórico de Olivença. São cerca de 453,61 Km.2, até às Ribeiras de Táliga (ou de Alconchel) e de Alcarrache. Segundo a perspectiva diplomática oficial portuguesa, é um território legalmente português, administrado de facto pela Espanha. Uma região que foi, na época franquista principalmente, sujeita a uma descaracterização que se pode classificar de dramática. Durante mais ou menos quarenta anos.
Mas... desde 11 de Novembro de 2000, a cem metros ao sul da ruína da manuelina Ponte da Ajuda, quebrada, temos uma nova Ponte. Houve quem quisesse que se chamasse "General Humberto Delgado". Construída depois de quase uma década de desentendimentos diplomáticos. Ela lá está, ligando diretamente a Elvas (e a mais lado nenhum ! São 21 Quilómetros ), sendo considerada como infraestrutura local ou municipal, e não internacional. Aliás, o Estado Português pagou-a integralmente. Uma história que teve e tem tantos episódios e condicionantes estranhos, que deveria merecer um livro...
Claro que, para quem sai de Elvas e se dirige somente a Olivença, a Ponte constituirá o primeiro local a visitar quando entrar na Região... mas voltaremos a falar do assunto!
Peço perdão, mas talvez caiba aqui um comentário! Sendo Democracias atualmente, Portugal e Espanha, aproveitando até o facto de ambos estarem na União Europeia, podem agora encarar este litígio de forma aberta, sem complexos, com um mínimo de traumas, sem pôr em causa princípios e interesses legítimos nem planos de cooperação noutros domínios. As boas relações facilitam a discussão de todos os assuntos, principalmente os melindrosos. Os preconceitos passam a ter muito menos sentido. Só por isso, a Democracia vale a pena!
Mas...voltemos ao tema da visita... e à Ribeira de Olivença. Ao lado da Ponte Nova, está uma mais antiga, que deixou de ser usada em 1994. Para já, informa-se que está a um quilómetro do local onde foram assassinados o General Humberto Delgado e a sua secretária, em 1965. Mesmo a Norte da Ribeira de Olivença, a Leste, nas proximidades da herdade de "Los Almerines". Se veio do Sul, ou de Elvas pela nova Ponte da Ajuda, que muitos querem, pelo episódio histórico referido, que se chame "Ponte General Humberto Delgado", terá de percorrer três ou quatro quilómetros para norte, a partir da Terra das Oliveiras
Mas siga, se vindo do Norte. Está próximo, muito próximo mesmo de Olivença. Acabará por avistar a cidade, donde se destaca uma Torre de Menagem. Avance, vire à direita, e terá chegado a um mundo que o surpreenderá... se tiver olhos para ver. Continue a ler, e dar-nos-á razão... esperamos.
Verá muitas casas alentejanas, principalmente em ruas pequenas, e até em algumas grandes. Principalmente algumas artérias simples poderão surpreender, mesmo porque é nelas que eventualmente poderá ouvir falar português "alentejano", por vezes com surpreendente pureza. Pode mesmo tomar a iniciativa.
Sem dúvida que os nomes das ruas parecem, e são, espanhóis. E, daí, talvez não. Os nomes antigos, que os precederam, são bem portugueses, e muita gente os conhece, principalmente os mais idosos. Rua dos Oleiros. Rua das Atafonas. Rua do Poço. Rua da Caridade. Rua da Pedra. Rua dos Saboeiros. Há tantas, tantas!
Mas... vamos à parte turística "consagrada". Comece pela Torre de Menagem, construída por volta de 1488, por ordem de D. João II de Portugal. Encontrará, num mesmo complexo, um Museu Etnográfico...que já foi Municipal... e que é algo de admirável. Está ali todo um passado, quase sem barreiras. Há Pré-História. Há mundo rural. Há mundo urbano. Há coisas que nunca pensou ver num museu... mas que devem mesmo lá estar. Aprenderá algo, seguramente.
Está na parte mais antiga de Olivença, a chamada zona dionisina. Nome derivado de D. Dinis de Portugal, que em 1297 assegurou a posse lusitana da cidade (Tratado de Alcañices), após meio século de confusões fronteiriças. Verá por ali as Portas dos Anjos, ou do Espírito Santo. Também as de Alconchel. E, já disfarçadas no Palácio dos Duques de Cadaval, actual Câmara Municipal, as Portas da Graça. E, como se não bastasse, estão a ser reconstruídas umas outras, que, entre outros nomes, se chamaram de São Sebastião...
Porque estamos na parte dionisina, visite a Igreja de Santa Maria do Castelo, que seria a mais antiga (século XIII)...se não tivesse sido toda reconstruída no final do século XVI e recebido acrescentamentos posteriores. Por isso, nela encontrará talha barroca. E também uma belíssima árvore genealógica da Virgem Maria (árvore de Jessé; dizem que é a maior que existe). Entre outras coisas.
Saiamos da zona dionisina pelas Portas do Espírito Santo, e examinemos a Porta Manuelina da Câmara Municipal. É um exemplar valioso.
Já que falamos em Manuelino... vamos à Igreja de Santa Maria Madalena, a 20 metros de distância. Eis uma espantosa Catedral Gótica- Manuelina, a segunda em tamanho existente neste estilo... após, naturalmente, os Jerónimos. As colunas toscanas imitam cordas na perfeição. E podemos ver azulejos. E Talha Barroca, mais recente. Este templo, há poucos anos, mereceu a classificação de "espaço mais bonito de Espanha", num concurso aberto à votação pública da responsabilidade de uma companhia petrolífera(gasolineira)
Não há que espantar. O templo foi sede do Bispado Português de Ceuta. O seu primeiro bispo, Frei Henrique de Coimbra, está lá sepultado. Trata-se (as voltas que a História dá !) do homem que rezou a Primeira Missa no Brasil, em 1500.
Voltemos a passar em frente da Câmara Municipal, e viremos à esquerda, percorrendo parte da Rua da Caridade. Eis-nos diante da Misericórdia de Olivença. Vejamos os mármores em torno da belíssima porta. Os Escudos Nacionais de Portugal e Espanha. Sobre a porta da Capela, outro escudo luso, embora picado. Entremos na Igreja/Capela, que só abre de manhã. Tantos azulejos portugueses ! Dir-se-ia uma versão menor da Igreja da Madalena. E há talha em madeira para todos os gostos...
Sigamos depois pela Rua Espírito Santo, ou pela sua paralela, a Rua Fernando Afonso Durão ("Fernando Alfonso"), ou das Parreiras. Desembocaremos na Plaza de España, antigo Terreiro ou Passeio Velho. E... para quem pensa que a presença histórica portuguesa se esgotou lá pelo século XVII, veja o Palácio dos Marçais, pombalino, do Século XVIII. Aí chegados, se houver tempo, não é má idéia visitar-se o Convento de São Francisco (Séculos XVI/XVII), porque fica a menos de 100 metros.
Mas...existem muitas alternativas ainda! Podemos visitar alguns troços, de incontestável beleza, das muralhas dos séculos XVII-XVIII (estilo "Vauban"; iniciadas a propósito da Guerra da Restauração ), e, andando um bocado mais, ver as Portas do Calvário, que delas fazem parte, em mármore, iguaizinhas às que se encontram, por exemplo, em Elvas e Estremoz.
À direita das Portas do Calvário, encontraremos o Convento de São João de Deus (Século XVI ).
Se, depois, seguirmos pelas ruas de Santa Luzia e de Santa Quitéria, encontraremos uma pequena Igreja, de Nossa Senhora da Conceição (ou de Santa Quitéria), e, sempre andando, uma dependência das já destruídas Portas de Santa Quitéria, ou Porta Nova, companheiras das Portas do Calvário (ainda que sem mármores), tal como uma outra porta também já destruída, a de São Francisco. De três, resta uma. Mais acima, o antigo Quartel de Cavalaria dos Dragões de Olovença (século XVIII) dá-nos as boas vindas. Em frente deste, nas antigas cavalariças, um Centro de Lazer para Idosos ("Hogar del Pensionista") poderá ensinar-lhe muita coisa !
A menos de 50 metros, está o novíssimo Centro Cultural de Olivença/Casa da Cultura/Universidade Popular. A cultura tem lugar de destaque na Moderna Olivença.
Em todas estas "voltas", poderão observar-se os muitos "Passos" da Paixão de Cristo de que Olivença dispõe. Estão um pouco por todo o lado, alguns com azulejos novos, executados por artistas/profissionais das Caldas da Rainha.
Há muita coisa para ver. É difícil dizer tudo !
Se, de facto, se pensa que a Cultura não são só monumentos, e nem só cidades, então, para além das Ruas Antigas já sugeridas, podemos visitar as aldeias dos arredores. Como, por exemplo, São Jorge de Alôr, cinco quilómetros para Leste. Veremos casas alentejaníssimas, e chaminés meridionais portuguesas de estonteante altura. Podemos, em alternativa, visitar São Bento da Contenda (7 Km. a Sudoeste), com o mesmo tipo de arquitectura, uma das povoações onde a Língua Portuguesa se mantém como língua comum.
Podemos ainda visitar Vila Real, 10 Km. a Oeste, frente a Juromenha, de cujo extinto Concelho foi parte até 1801. As características linguísticas e arquitectónicas continuam a surpreender...ou, nesta altura, talvez já não ! Ainda que, em Vila Real, em 2004 e 2005, muita coisa tenha mudado, com umas obras em várias das suas velhas casas. Pelos vistos, não se está a preservar como devia a velha traça popular na região...
Mas... vamos a São Domingos de Gusmão, 4 Km. a sudeste, aldeia quase abandonada por causa da emigração. Prosseguindo pela estrada que a esta conduz, a 20 Km. de Olivença, encontra-se Táliga, ou Talega, uma antiga aldeia que é hoje um Concelho independente da Terra das Oliveiras. Embora não tanto como noutras povoações, o Português alentejano ainda por lá subsiste... e é muito bem entendido... ainda que o possa não parecer à primeira vista !
Poderemos ainda visitar as aldeias novas de São Francisco e São Rafael de Olivença, 7Km. a Norte de Olivença, a primeira, e 9 a nordeste, a segunda. Só existem desde 1954. Claro, por isso as suas características arquitetónicas são diferentes, mas há por lá umas chaminés não previstas nos planos iniciais, e a população também vai falando e compreendendo a lusa fala... em versão planície.
Já que andamos por estradas várias, independentemente de depois voltarmos para trás ou de simplesmente continuarmos diretamente para Elvas, visitemos a velha Ponte da Ajuda (10 Km. a noroeste da urbe transodiana), destruída desde 1709. Não foi reparada depois, e a ocupação espanhola de Olivença em 1801 veio dificultar ainda mais as coisas. É um impressionante Monumento Manuelino (mais um ! ), que tem cerca de 450 metros, 19 arcos, e um largo tabuleiro de quase seis metros... o suficiente para se cruzarem duas carroças. Não se sabe quando, ou mesmo se será reconstruída. O que se fez nesse sentido esteve e está envolvido em acesa polémica. Mas, como se disse antes, há uma Ponte novinha a cem metros de distância (desde 2000), pelo que o Guadiana já não é obstáculo!
Vamos dedicar a nossa atenção a outras coisas... ou outros pontos de interesse. Por exemplo, na estrada para São Jorge de Alôr há a Quinta de São João, ou da Marçala, ou dos Marçais... que esconde um Convento de Frades Franciscanos do Algarve, fundado talvez em 1500.
Encontramos muitos "montes" rurais alentejanos. Em número superior a uma centena. E pelo menos um doce português afamado nas duas pastelarias, chamado "Técula-Mécula" ou "La Cheminea" e que me perdoem em alguma eventual guerra de patentes! Encontramos...
Vamos a deter-nos com as indicações. Quem quiser, vá a Olivença. Descubra mais coisas. Escreva sobre isso, ou relate aos amigos. Parece-nos que já demos pistas suficientes ! A não ser que... pois, tem de ser! Esquecíamos que desde 2008 há uma associação autóctone ( a "Além Guadiana")que, sem se meter em políticas ou questões de soberania, luta pela herança cultural lusa de Olivença em todas as suas vertentes, tendo conseguido convencer as autoridades locais a reporem os velhos nomes portugueses, em 2011 (ao lado dos atuais nomes espanhóis) em 74 ruas e praças no burgo. E anda no ar a ideia de fazer de Olivença uma espécie de cidade-museu, ou cidade de museus...
Agora, é a sério! Já chega de pistas! Repetimos: vá lá, visite o que puder. Já agora, não caia no erro de querer visitar coisas entre as catorze e as dezassete horas locais, pois, durante três horas, tudo fecha. É a inevitável "Siesta"... a Sesta, que já se usou no Alentejo. Agora, dizem que vai acabar. Esperemos, para ver. Mesmo porque há vinte anos que se fala nisso, sem resultados...
Ah, e procure visitar as Igrejas de manhã, pois de tarde só por acaso estarão abertas.
Por aqui ficamos. Visitou o que procurava. Se veio de Badajoz, à moda antiga, talvez tenha feito menos compras do que esperava, ou pelo menos, não onde as pensava fazer. Seja como for, foi decerto interessante descobrir Portugal... a pouco mais de 20 Quilómetros ao Sul de Badajoz ! Se veio, à "moderna", pela nova Ponte da Ajuda... nem chegou a ir a Badajoz... e a sua visita terá quase só um fim turístico-cultural, e aproveitou para honrar Elvas, há pouco declarada cidade-património mundial. A escolha é sua!

Professor de História

Mais Notícias