Milhões de euros depois...

Nos últimos anos, o sistema financeiro consumiu muito dinheiro dos contribuintes. Milhares de milhões de euros depois a banca está melhor mas o problema está longe de estar resolvido. Utilizando um eufemismo, a Comissão Europeia e os governos chamam-lhe NPL (non-performing loans, ou seja, créditos não produtivos), mas em Portugal toda a gente fala de crédito malparado, que continua acima da média dos outros bancos da zona euro.

Na carta que Bruxelas vai enviar ao ministro das Finanças é deixado o recado claro sobre os perigos que ainda existem, dando particular destaque à fraqueza do Novo Banco e do Montepio nesta matéria. O problema não existe apenas com a perspetiva de que os contribuintes podem ser chamados a ajudar novamente a resolver alguma instituição. Muito antes disso, já se faz sentir o problema de bancos que com um alto rácio de crédito malparado contribuem menos para o financiamento da economia, baixando a concessão de crédito às empresas.

Sabendo da gravidade da situação, a Comissão Europeia alerta o governo português para a necessidade de incluir no Plano Nacional de Reformas medidas concretas, medidas técnicas para melhorar ainda mais o rácio de malparado para que a economia possa crescer nos níveis desejados e absolutamente necessários.

Num país em que o rendimento das famílias ainda não recuperou valores de 2008 e a taxa de poupança desceu para níveis do final do século passado, alguns bancos continuam a conceder crédito para consumo, atingindo máximos anteriores à crise.

Milhares de milhões de euros depois, há erros que se repetem. Beneficiando dos bons ventos que sopram da Europa, navegar à bolina tem algum mérito, mas não nos prepara para o momento em que o mau tempo chegar. O Plano Nacional de Reformas não pode continuar a ser um conjunto de medidas políticas sem qualquer efeito prático. É para isso que nos alerta Bruxelas, é preciso preparar o país para os maus momentos e essas correções são mais fáceis de fazer com bom tempo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG