O fascista e o imprestável

O Brasil é presidido por um fascista. E a segunda principal figura do executivo não presta.

Não é o colunista quem o diz - só porque poderia custar um maçador processo - mas os próprios.

Sim, quem afirmou que o presidente do Brasil é fascista foi o político que não presta; e quem chamou a segunda figura do executivo de imprestável foi o chefe de Estado fascista.

"Em relação ao Bolsonaro, eu tenho muita restrição porque ele é um fascista, tem um carácter fascista. É preconceituoso. É muito fácil ir para a televisão dizer que você vai matar bandido, mas isso não é discurso para um presidente da República", declarava o senador Ciro Nogueira, sobre Jair Bolsonaro, em 2017, à Rede Meio Norte, do Piauí, na pré-campanha das eleições presidenciais do ano seguinte.

Nogueira é, desde esta semana ministro da Casa Civil, uma espécie de primeiro-ministro do presidente "fascista".

Na mesma pré-campanha, Bolsonaro criticava o adversário Geraldo Alckmin por ter o apoio do "centrão", conjunto de deputados liderado por Nogueira e outros, cujo foco é parasitar o poder. "Eu quero cumprimentar o Alckmin: ele juntou a alta nata de tudo o que não presta no Brasil ao lado dele", afirmou. Meses depois, o general Augusto Heleno, capataz de Bolsonaro, cantava em comício "se gritar pega 'centrão' [em vez do original 'ladrão'], não escapa um, meu irmão".

Bolsonaro convidou para seu braço-direito o representante de tudo o que não presta para, justificou-se, "salvar o governo".

Fernando Henrique Cardoso, presidente de 1995 a 2002, gastou centenas de páginas das suas memórias, os Diários da Presidência, a lamentar ter sido obrigado a alimentar a rapina do "centrão" da época, para manter o seu governo de pé.

Eleito sob discurso anticorrupção, com um ano ou dois de Planalto o governo Lula já oferecia um "mensalão" para acalmar a ganância dos deputados. Confrontado com as suas incoerências, Lula disparou: "Se Jesus Cristo fosse presidente do Brasil aliava-se até com Judas."

Dilma Rousseff decidiu enfrentar o "centrão" em posição de fraqueza - acabou traída por outro dos seus vértices, Michel Temer, e destituída sem piedade.

Mas Bolsonaro, no momento em que deu um cheque em branco a Nogueira, disse mais: "Eu também sou do 'centrão'..."

Com efeito, ao longo dos 30 anos como parlamentar, o ex-capitão militou em nove partidos, namorou com mais uma meia dúzia, fracassou ao tentar fundar o seu e passou a maior parte do tempo da sua insignificante carreira política no Progressistas (PP), a mesma formação de Ciro Nogueira.

O PP que, diga-se de passagem, é o partido mais visado da Operação Lava-Jato - não, não é o PT, conforme se ouve além-mar de observadores desavisados. São 33 deputados e senadores investigados, entre os quais Nogueira, himself, réu no Supremo Tribunal Federal por organização criminosa, denunciado por corrupção, lavagem de dinheiro e obstrução de justiça e acusado de ter recebido 7,3 milhões de reais de subornos em esquemas da construtora Odebrecht, além de 2,5 milhões de reais para assegurar o seu apoio ao impeachment de Dilma da empresa JBS.

Bolsonaro tinha, pelos vistos, razão ao chamar Nogueira de "alta nata de tudo o que não presta no Brasil". Mas, cá entre nós, Ciro Nogueira também acertou na mosca na definição de 2017 do hoje presidente.

Jornalista, correspondente em São Paulo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG