Abel e o título

Cheguei ao Brasil há pouco menos de um ano. Pouco tempo depois, um treinador português praticamente desconhecido e também recém-chegado deu ao Palmeiras um dos momentos mais marcantes do seu rico palmarés. A segunda Taça dos Libertadores da América.

Acompanho regularmente tudo o que diz respeito à atividade do clube e sobretudo do ilustre português que é o seu treinador. Faz parte do meu trabalho, e faço-o com muito gosto. Momentos bons e menos bons. Polémicas e frases fortes. É o mundo do futebol, é o jogo duro do quotidiano de jogadores e treinadores.

Nos tempos mais recentes, sobretudo no último mês, a pressão subiu e não poucas vezes Abel Ferreira foi criticado por ter tomado opções erradas. Mas Abel sabia. Ele tinha um plano. Disse-o a quem quisesse ouvir.

Não conheço pessoalmente Abel Ferreira. Moramos em cidades diferentes, o Abel em São Paulo e eu em Brasília, e as nossas vidas profissionais neste gigante Brasil ainda não se cruzaram. Mas de quando em vez trocamos umas mensagens. Antes do jogo de Sábado desejei-lhe boa sorte, como tenho feito antes de outros jogos. Respondeu-me, e peço-lhe licença para o citar - "esse é o nosso Propósito, Ganhar a Final."

Cumpriu-se o propósito. Abel deu ao Palmeiras dois títulos da dimensão da Libertadores no mesmo ano. Foi o primeiro português a consegui-lo. Há dois dias, ontem, hoje e nos próximos tempos as palavras Portugal e português vão ser escritas e ditas mais uns milhares de vezes, no Brasil e pelo mundo fora. O Abel estará em todos esses milhares de vezes que ajudam a promover e a dar visibilidade ao nosso país.
Após o treinador português erguer, com a bandeira de Portugal ondeando no estádio centenário de Montevideu, a mítica Taça, estive a pensar em títulos possíveis para qualificar aquela vitória histórica - mais uma! - de Abel e do Palmeiras.

Tinha algumas ideias, mas como juntos somos mais fortes, e animado pelo magnífico exemplo de força coletiva que acabava de ver, pedi a alguns amigos que juntassem as suas às minhas. A Alexandra, a Cristina, o João, o João D, o Tiago e o Francisco aceitaram o desafio.
Aqui fica a nossa homenagem, Abel.

O fantástico ano de Abel.
Abel é bom demais.
A copa de Abel.
Abel brasileiro, português do mundo.
A sorte sorri aos audazes.
A Libertadores foi ganha com mão portuguesa.
Abel é bom de bola.
Entrou sem títulos e já tem duas Taças.
Abel, o inédito.
Abel sonha, a Libertadores acontece.
Abel deu show de bola
Não toca na Bola mas dá show
Houve verdão, amarelo e Abel.
Dois títulos, um Abel.
Abel, o libertador do contra-atque.
Um ano, 100 jogos, 3 títulos
Obrigado, mais uma vez!


Embaixador de Portugal no Brasil

Mais Notícias

Outras Notícias GMG