Restrições de contacto com idosos podem durar até fim do ano

"É preciso limitar, tanto quanto possível, os contactos dos seniores", em particular os que vivem em lares, defende Ursula von der Leyen.

Os contactos dos mais velhos com as outras pessoas deverão ser limitados, pelo menos, até ao final do ano, devido à pandemia do novo coronavírus, alertou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Em entrevista ao jornal alemão Bild, publicada este domingo, Leyen avisou que enquanto não houver uma vacina "é preciso limitar, tanto quanto possível, os contactos dos seniores", em particular os que vivem em lares.

"Sei que é difícil e que o isolamento pesa, mas é uma questão de vida ou de morte. Devemos manter-nos disciplinados e pacientes", declarou, contando com o desenvolvimento de uma vacina por um laboratório europeu perto do final do ano.

"Devemos manter-nos disciplinados e pacientes"

Para a presidente da Comissão Europeia, "as crianças e os jovens desfrutarão mais cedo da liberdade de movimento que os mais velhos e aqueles que têm antecedentes médicos".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 108 mil mortos e infetou mais de 1,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infeção, quase 405 mil são considerados curados, segundo os dados oficiais atualizados às 7:58 deste domingo.

O continente europeu, que tem mais de 900 mil infetados e quase 74 mil mortos, é o que regista o maior número de casos.

Os Estados Unidos da América são o país com o maior número de casos (533 115) e de mortes (20 580). Segue-se Espanha com 163 027 - o segundo país com mais infeções e o terceiro com mais óbitos (16 606). A Itália é a segunda nação com mais vitimas mortais (19 468) e 152 271 casos.

Portugal é o 15.º país do mundo com mundo onde há mais doentes: 15 987 pessoas infetadas e 470 mortes, de acordo com os dados da Direção-Geral da Saúde, deste sábado, os últimos disponíveis.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG