Vitória de Fillon nas primárias da direita e do centro

François Fillon vai ser o candidato da direita e do centro nas presidenciais de 2017 em França. Derrotou por clara margem o outro candidato, Alain Juppé, na segunda volta que decorreu hoje.

François Fillon obteve 67% na segunda volta das primárias à direita, vencendo Alain Juppé, que se ficou pelos 33%.

Em caso de derrota, Alain Juppé comprometera-se a apoiar Fillon, tendo-se este pronunciado no mesmo sentido.

No discurso de vitória, Fillon deixou no ar a hipótese de chamar Sarkozy para um cargo numa sua presidência e disse "estender a mão" a Juppé. "Preciso de todos (...) para ajudar a servir o meu país". Recordando que, "desde há três anos", tem percorrido a França "a ouvir" os seus concidadãos, salientou ser indispensável "a verdade" e "atos" para mudar a atual realidade da sociedade francesa. Para Fillon, a sua foi "uma vitória de fundo, alicerçada em convicções".

Vencedor inesperado da primeira volta das primárias da direita francesa, Fillon, de 62 anos, Fillon será o candidato desta família política e surge posicionado nas sondagens como o melhor colocado para vencer Marine Le Pen, que é dada como presença certa na segunda volta das presidenciais, em maio de 2017. Segundo as sondagens, nenhum candidato de esquerda consegue passar à segunda volta.

Foram instaladas 10 229 assembleias de voto, em que estiveram presentes cerca de 81 mil colaboradores a título benévolo e foram impressos 70 milhões de boletins de voto. O voto decorreu na França continental, em alguns territórios extra-europeus e junto das comunidades de franceses a residirem no estrangeiro.

Com um custo total estimado entre os seis e os nove milhões de euros, e tendo votado nas duas voltas cerca 8, 7 milhões de eleitores, que pagaram dois euros, somando mais de 17 milhões de euros, isto significa que o candidato vencedor arrecada para a campanha presidencial, pelo menos, oito milhões de euros. Um balão de oxigénio para Os Republicanos, que têm dívidas à banca na ordem dos 73 milhões de euros, principalmente, devido aos custos da campanha de Sarkozy nas presidenciais de 2012, em que acabou derrotado pelo socialista François Hollande.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG