Ataque terrorista em Londres causa seis mortes e 30 feridos

Polícia abateu três suspeitos. Teresa May reúne esta manhã com o gabinete de crise

No sábado à noite ocorreram "atos terroristas" em diferentes pontos de Londres: um atropelamento na London Bridge e apunhalamentos em Borough Market, que terão provocado pelo menos seis mortos, segundo a polícia que deu uma conferência de imprensa durante a madrugada.

As autoridades abateram três suspeitos em Borough Market. Pelo menos 30 feridos foram transportados para cinco hospitais.

"Acreditamos que neste momento há seis vítimas mortais, a que se juntam os suspeitos abatidos pela polícia", disse o porta-voz da polícia, Mark Rowley, que explicou que não se confirmou a suspeita de os atacantes terem coletes explosivos.

Às 01.45 um jornalista do Daily Telegraph que estava perto do mercado de Borough disse ter ouvido três explosões no espaço de cinco minutos. Relatou dez minutos mais tarde uma nova explosão que disse ser "quatro a cinco vezes" mais forte que as anteriores.

James Cox, editor digital do The Sun, escreveu no Twitter que as explosões são controladas e que a polícia está a monitorizar a situação.

Foi via twitter que a polícia confirmou que se tratou de dois ataques terroristas.

"Às 00:25 de 04/06/2017 [mesma hora em Lisboa], os incidentes de #LondonBridge e #BoroughMarket foram declarados como incidentes terroristas", divulgou, através da rede social Twitter.

Momentos antes, a primeira-ministra Teresa May já admitia esse cenário.

De acordo com a informação recolhida pela polícia, posso confirmar que este terrível incidente está a ser tratado como um potencial ato de terrorismo

Teresa May reúne esta manhã com o comité de emergência designado por COBRA.

Além do atropelamento na London Bridge, a polícia foi chamada a outras duas ocorrências - esfaqueamentos e troca de tiros - um deles no mercado de Borough, a 500 metros de uma das entradas da London Bridge que está relacionado com o ataque terrorista.

Os serviços de emergência confirmaram ter transportado pelo menos 30 feridos na sequência do ataque na London Bridge para cinco hospitais. "Tratámos ainda várias pessoas com ferimentos menos graves logo no local. Declaramos este como um grave incidente e continuamos a trabalhar com outros meios de emergência. A nossa prioridade é assegurar que os feridos recebem os cuidados necessários o mais rápido possível", pode ler-se no comunicado que o instituto de emergência médica publicou nas redes sociais. E onde deixa o apelo a que as pessoas só liguem em caso real de emergência.

A Polícia Metropolitana esclareceu que o acontecimento registado em Vauxhall, e que foi apontado como "um terceiro incidente", se tratou de "um esfaqueamento" e "não está relacionado" com os outros dois incidentes.

As autoridades difundiram ainda uma mensagem a apelar ao "bom senso e contenção" na divulgação de vídeos e imagens dos incidentes.

Na rede social Twitter, a Polícia Metropolitana londrina pediu ainda à população que se mantenha calma. E recomendou que as pessoas das zonas afetadas procurem locais seguros, silenciem telemóveis e, apenas em caso de segurança, contactarem as autoridades.

A polícia de Londres revelou ainda que retirou pessoas da London Bridge pelo rio Tamisa, com o auxílio de autoridades navais de salvamento, no seguimento do ato terrorista ocorrido no local.

Uma jornalista da BBC relatou que estava na ponte na altura do atropelamento e que a carrinha estava a ser conduzida por um homem que circularia perto dos 80 Km/hora. De acordo com a BBC, o condutor suspeito já foi detido. Outras fontes referem que a polícia procura mais três suspeitos, que também estariam na carrinha.

Há imagens da polícia a pedir às pessoas que estavam num bar perto da London Bridge para se esconderem.

Imagens em direto da Sky News

Três hospitais - Central london, Guy's e St Thomas - estão encerrados para garantir a segurança dos doentes.

Reações

De acordo com fonte de Downing Street, a primeira-ministra britânica, Theresa May, reunir-se-á hoje com o gabinete de crise e, nas últimas horas, tem estado a ser "regularmente atualizada" sobre o que aconteceu em Londres.

O Presidente norte-americano Donald Trump ofereceu a ajuda dos Estados Unidos ao Reino Unido na sequência dos "atos terroristas" ocorridos sábado à noite no centro de Londres.

Numa mensagem na sua conta pessoal na rede social Twitter, Trump escreveu: "Os Estados Unidos estão disponíveis para o que for preciso, para ajudar Londres e o Reino Unido. ESTAMOS CONVOSCO. DEUS VOS ABENÇOE".

O mayor de Londres, Sadiq Khan, afirmou que este foi "um ataque cobarde e deliberado aos londrinos e aos turistas".

O secretário-geral do Conselho Muçulmano Britânico, Harun Khan, condenou os ataques, referindo que "muçulmanos de todo o mundo estão tristes com estes ataques cobardes que destruíram a vida dos nossos companheiros britânicos. As minhas orações estão com as vítimas e com todos os que foram afetados".

Jeremy Corbyn, líder do partido trabalhista, deixou uma mensagem de agradecimento aos serviços de emergência e disse que os seus pensamentos estavam com as vítimas deste incidente que classificou de "brutal e chocante".

Emanuel Macron, presidente francês, reagiu ao ataque dizendo que a "França está com o Reino Unido, hoje mais do que nunca!"

Também o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse, na mesma rede, que está a seguir "com horror" as notícias dos incidentes na capital britânica.

"Pensamentos e orações estão com as vítimas e as suas famílias. Por favor, mantenham-se seguros", afirma Juncker.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou "votos solidários" à rainha Isabel II e ao povo britânico, na sequência dos atos terroristas ocorridos no sábado à noite, em Londres.

"De novo cidadãos inocentes foram atacados no centro de Londres. Ao mesmo tempo em que envio os meus votos solidários a Sua Majestade a Rainha Isabel II e ao povo britânico, quero de novo sublinhar que continuaremos a defender a paz, a democracia e a liberdade", afirmou o chefe de Estado.

Numa mensagem divulgada na página da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa desejou ainda "uma rápida de recuperação às vítimas" destes atentados e apresentou sentimentos às suas famílias.

O Governo português está a acompanhar os incidentes ocorridos no sábado à noite em Londres, mas desconhece ainda se há portugueses entre as vítimas.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, "está a acompanhar [os incidentes] através do Gabinete de Emergência Consular", disse à Lusa fonte do Governo.

Sobre a eventual existência de portugueses entre as vítimas, a mesma fonte disse que ainda é cedo para identificar as vítimas dos ataques.

Ataques mais recentes

Há uma semana Manchester foi alvo de um ataque no final do concerto da cantora norte-americana Ariana Grande. Uma explosão provocou 22 mortes e mais de 100 feridos. Hoje realiza-se um concerto de apoio às vítimas em que a cantora participa.

O incidente desta noite é muito semelhante ao registado a 22 de março na ponte de Westminster, quando um carro acelerou para cima de várias pessoas que estavam na ponte. Cinco pessoas, incluindo o atacante, morreram e registaram-se 40 feridos. Esse ataque só terminou junto do parlamento britânico com o atacante a esfaquear um polícia.

Mais Notícias