"Vamos ter um governo pró-europeu na Alemanha e isso é bom para Portugal"

Após ver as projeções nos jardins do instituto Goethe, embaixador alemão Christof Weil mostrou-se preocupado com subida da AfD.

Televisão sintonizada na ZDF, barraquinhas com cervejas, pretzels e salsichas alemãs. Era assim que no jardim do instituto Goethe em Lisboa se aguardavam ontem as projeções das eleições gerais. Às 17:00 em ponto (menos uma do que na Alemanha) o gráfico surgia no ecrã a mostrar a CDU de Angela Merkel à frente, mas a cair em relação a 2013, o SPD em segundo mas pouco acima dos 20% e os 13% da AfD que arrancaram apupos à assistência.

"Como afirmei quando disse olá a todos, vamos ter um governo pró-europeu, isso é certo. Mas claro que ver este resultado da AfD é motivo de preocupação", admitiu ao DN o embaixador Christof Weil. Para o diplomata, colocado em Lisboa desde setembro de 2016, esta subida da extrema-direita alemã insere-se num "fenómeno mais abrangente nas democracias ocidentais". Um "voto de protesto dos que se sentem zangados, dos que se sentem desprezados pelas forças políticas estabelecidas. E essas forças têm de ter isso em conta".

Ainda antes de conhecidos os resultados, Christof Weil não escondia o receio de "uma surpresa" quanto ao resultado da extrema-direita, lembrando que muita gente não confessa votar numa AfD, distorcendo as sondagens. E aos que se queixaram que esta foi uma campanha aborrecida, o embaixador garantia com um sorriso estar "completamente à vontade num país politicamente aborrecido".

Já perante os primeiros resultados, Christof Weil admitia que agora é hora de formar governo, tarefa que promete não ser fácil. Tanto porque os sociais-democratas do SPD parecem relutantes em repetir a Grande Coligação com a CDU, como porque conciliar as posições dos liberais do FDP com as dos Verdes numa coligação Jamaica (preto-amarelo-verde) deverá ser um desafio para Merkel.

Admitindo que "para parte do eleitorado, houve demasiado consenso nestes quatro anos", o embaixador afirma que este pode ser "um novo começo para o SPD". Sublinhando que não lhe cabe "comentar as opções políticas, o diplomata não deixa de recordar que seja qual for a solução encontrada, a Alemanha vai ter "um governo pró-europeu". E isso "é bom para todos nós, é bom também para Portugal".

De pé, junto a uma das mesas altas espalhadas pelo jardim, Peter Hanenberg afirma, quanto a ele, que "o governo não foi reeleito" e isso implica "uma mudança de rumo político". Para este alemão, professor de Estudos de Comunicação e Cultura na Universidade Católica, as negociações para formar uma coligação adivinham-se difíceis. Garantindo que este "não é um voto anti-Merkel, mas sim um voto anti-Grande Coligação", o académico só vê uma opção que é a um executivo CDU-FDP-Verdes. Quanto à AfD, admite que teve "muito mais do que estava à espera e ainda muito mais do que eu desejava".

Já Thomas Fischer, jornalista radicado em Portugal, mais do que surpreendido com os 13% da extrema-direita diz-se antes "chocado" com o resultado. Recordando os tempos de militante anti-extrema-direita, Fischer confessa a "desilusão" com a mobilização da extrema-direita. Mas garante que "temos de pensar no que causou isto".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG