"Vamos comer democracia?" A frustração dos tunisinos antes das eleições

Na capital da Tunísia ou no meio rural não é difícil encontrar desiludidos com a democracia que nasceu com a queda de Ben Ali, em 2011. Hoje os tunisinos escolhem entre 26 candidatos a presidente.

Enquanto observava um autocarro de campanha a chegar à cidade cheio de lemas e cartazes de um dos 26 candidatos a presidente, Mondher Jawad bateu com fúria nas mãos enquanto a mulher ao seu lado gritava insultos ao pessoal do candidato.

"A democracia não significa nada para nós", disse Jawad, de 45 anos, sem emprego, que luta para alimentar os seus três filhos na cidade poeirenta de Fernana, perto da fronteira com a Argélia. "Vamos comer ou beber democracia?"

Berço da "Primavera Árabe", a Tunísia é o único país a conseguir uma transição pacífica para a democracia após as revoltas populares de 2011 que varreram autocratas do poder em todo o norte de África e no Médio Oriente. Mas quando chega a hora de escolher um sucessor para o primeiro presidente democraticamente eleito, Beji Caid Essebsi, que morreu no cargo aos 92 anos, em julho, muitos eleitores sentem-se de ânimo pesado, frustrados com o fracasso do governo em melhorar a qualidade de vida.

Ainda há orgulho na democracia, e os primeiros debates presidenciais televisivos do país, espalhados por três noites consecutivas na semana passada, foram vistos em grande número. Mas a afluência às urnas nas eleições locais no ano passado foi de apenas 34% e acompanhou os protestos generalizados sobre as condições de vida. Os políticos têm advertido que o fracasso em mostrar um progresso real pode comprometer o próprio projeto democrático.

As oportunidades económicas devem melhorar "se a Tunísia quiser aderir ao clube da sólida democracia", disse o primeiro-ministro Youssef Chahed, um dos candidatos presidenciais, em entrevista à Reuters no mês passado.

Greves, desemprego, falta de água

O turismo, uma fonte vital de divisas, acaba de recuperar dos ataques jihadistas de há quatro anos. A despesa pública foi fortemente reduzida para controlar as finanças públicas, enquanto o crescimento económico não aumentou com a rapidez suficiente para diminuir o desemprego.

Muitos trabalhadores do Estado entraram em greve para exigir um aumento de salários ou melhores condições, provocando por vezes protestos em sentido contrário. Na semana passada, no exterior de uma importante estação de correios fechado por greves no centro de Tunes, manifestantes em fúria tentaram arrombar a porta para exigir que os trabalhadores retomassem o trabalho para que pudessem receber os cheques salariais.

"Eu não consigo sequer levantar 50 dinares (15,7 euros)", disse uma mulher que chorava do lado de fora da porta, Sihem ben Salem. "Os bandos, incluindo políticos e sindicatos, assumiram o controlo. São os únicos beneficiados pela revolução", acrescentou.

No campo, o tumulto político da capital parece remoto. Mais longe de Fernana, em direção à fronteira argelina, o povo de Oued al-Berber esperava que a revolução lhes trouxesse água corrente. Em vez disso, ainda têm de se deslocar uma hora por dia com um burro para chegar ao poço.

"Lembro-me que o presidente morreu, mas não sei quem é o presidente agora. Ninguém importante vem aqui. Nem antes nem depois da revolução", disse Noura Mechergui, 38 anos, ao lado dos poços onde ela e outros aldeões enchiam barris de água das mesmas bebedouros de betão onde os seus animais bebiam.


No vale, numa quinta de cinco edifícios de barro e pedra cobertos de vime e palha, os três irmãos Ben Rabeh e as suas famílias levam uma vida de subsistência longe da política da capital. Cada família dorme, cozinha e come numa única sala com um piso de terra rugosa, sob uma simples lâmpada. Os homens estão desempregados e passam os dias a transportar água da nascente e a cuidar da horta. Não há dinheiro para livros escolares para as crianças.

Ainda assim, Ahmed Ben Rabeh, 49 anos, pai de quatro filhos, disse que estava a pensar em votar. Ele perguntaria a alguém numa aldeia próxima em quem votar, disse ele. "Quando eu às vezes vejo televisão, compreendo que os políticos não falam de pessoas como nós", disse.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG