Uso da máscara de Dalí em A Casa de Papel pode estar em risco?

A Fundação Gala-Salvador Dalí quer controlar e regularizar a imagem do pintor espanhol, escreve o El País

As máscaras que protegem a identidade dos ladrões da série "Casa de Papel" correram mundo à boleia da popularidade da história da Netflix. Mas esta imagem de marca da série pode estar em risco. Tudo porque a Fundação Gala-Salvador Dalí pediu aos serviços jurídicos para controlar e regularizar a imagem do pintor espanhol, escreve o El País.

Segundo o jornal, a instituição está preocupada com a utilização da máscara de Dalí, inspirada na imagem criada em 1983 pelo próprio pintor com o objetivo de promover, proteger e defender o seu legado e imagem. Fonte da fundação afirmou ao diário que está a decorrer um "processo de regularização dos usos de direito de imagem de Salvador Dalí". Ou seja, a regularização implica que "qualquer pessoa que queira explorar qualquer dos direitos [imateriais derivados da obra e da pessoa de Salvador Dalí] tem de pedir autorização à Fundação".

A série de Álex Pina, produzida pela Atresmedia em colaboração com a Vancouver Media para a Antena 3, estreou-se em 2017, foi adquirida pela Netflix e tornou-se num sucesso mundial. Foi a ficção não inglesa mais vista da plataforma e ganhou um Emmy Internacional em 2018 para Melhor Série Dramática.

Ao El País, a mesma fonte afirma que se a fundação "tiver conhecimento de que estes direitos foram violados, tenta reconduzir a situação, exigindo que sejam regularizados os usos não autorizados". A instituição refere, no entanto, que o caso da série espanhola, exibida pela Netflix, que estreia este ano a terceira temporada, "é um pouco mais complexa".

Produtora defende-se e diz que se trata de uma caricatura

A Atresmedia afirma que a fundação não lhes pediu para regularizar o uso da máscara. Refere, no entanto, que a máscara utilizada em "A Casa de Papel" é "um desenho que recorda Salvador Dalí, mas um bigode pode ser usado por qualquer um, mesmo que Dalí o popularize".

Já a produtora, a Vancouver Media, conta que a máscara foi uma decisão dos criadores e que a equipa jurídica não achou necessário pedir autorização uma vez que se trata de uma caricatura. "A série permitiu que o pintor seja conhecido em pontos do planeta que de outra forma teria sido complicado. É o melhor marketing para Dalí em todo o mundo", realçou fonte da produtora.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG