UE quer reunião urgente com Londres para debater nova legislação

A União Europeia quer reunir-se urgentemente com Londres para debater o projeto de lei que o governo britânico publicou hoje e que retifica parte do acordo do Brexit, anunciou nesta quarta-feira a Comissão Europeia.

"Vou pedir, assim que possível, uma reunião da comissão mista extraordinária sobre o acordo de saída, de modo a que os nossos parceiros do Reino Unido forneçam detalhes e respondam às nossas sérias preocupações relativas ao projeto de lei", disse, em conferência de imprensa, o comissário europeu para as Relações Interinstitucionais e Prospetiva, Maros Sefcovic.

O comissário, que integra a Comissão Mista para discutir a aplicação do Acordo para o Brexit, salientou que "os acordos devem ser respeitados". O governo britânico apresentou nesta quarta-feira uma proposta de lei para retificar parte do acordo de saída negociado entre o Reino Unido e a UE.

O texto diz respeito ao mercado interno britânico e modifica, nomeadamente, o protocolo que evita o regresso de uma fronteira física entre a Irlanda e a Irlanda do Norte no final do período de transição pós-Brexit, que termina no dia 31 de dezembro.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, argumentou que a proposta de lei pretende proteger o país de "interpretações extremistas ou irracionais" do Acordo de Saída da União Europeia (UE).

"O meu trabalho é proteger a integridade do Reino Unido, mas também proteger o processo de paz da Irlanda do Norte. E para o fazer temos de ter uma rede de segurança para proteger o nosso país contra interpretações extremistas ou irracionais do protocolo, que pode resultar numa fronteira no mar da Irlanda", afirmou, durante o debate semanal na Câmara dos Comuns.

O governo britânico admitiu na terça-feira que uma proposta de lei publicada hoje para retificar parte do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE) pode representar uma violação do direito internacional.

"Eu diria que sim, viola o direito internacional de uma forma muito específica e limitada. Estamos a assumir o poder de não aplicar o conceito de efeito direto da legislação da UE exigido pelo artigo 4 em certas circunstâncias bem definidas", disse o ministro para a Irlanda do Norte, Brandon Lewis, no Parlamento.

O Acordo de Saída e o Protocolo da Irlanda do Norte foram redigidos com o objetivo de proteger o processo de paz na Irlanda do Norte, evitando a necessidade de uma fronteira física entre o território britânico com a Irlanda, membro da UE, pelo que qualquer controlo aduaneiro teria de ser feito entre a Irlanda do Norte o resto do Reino Unido, que estão separados pelo mar da Irlanda.

Estes desenvolvimentos coincidem com a oitava ronda de negociações para um acordo de comércio pós-Brexit, que decorre até quinta-feira em Londres.

Os dois lados estão a negociar o formato das futuras relações comerciais há seis meses, desde a saída formal do Reino Unido do bloco, a 31 de janeiro, mas o progresso tem sido mínimo e a recente troca de acusações arrisca acabar em colapso nas próximas semanas.

Mais Notícias