UE pede à Netflix para transmitir em baixa definição. Internet está a ser mais usada que nunca

Internet está a ser mais utilizada do que nunca devido à pandemia de covid-19 que obrigou milhões de pessoas a ficarem retidas em casa

A União Europeia (UE) está a pedir à Netflix e a outras plataformas de streaming para que parem de exibir vídeos em alta definição para evitar que a Internet entre em colapso devido à sua utilização sem precedentes devido à pandemia de covid-19, escreve a CNN .

Numa altura em que há muitos países a combater a propagação do vírus e centenas de milhões de pessoas foram obrigadas a ficar em casa para trabalhar e cuidar dos filhos, as autoridades da UE estão preocupadas com a enorme pressão sobre a Internet.

O comissário europeu Thierry Breton, responsável pelo mercado interno da UE, que cobre mais de 450 milhões de pessoas, revelou esta quarta-feira no Twitter que conversou com o CEO da Netflix, Reed Hastings, e pediu para que não se utilize a alta definição quando não é necessário, para garantir o acesso à Internet para todos.

Entretanto, um porta-voz da Netflix disse à CNN Business que Hastings e Breton vão conversar novamente na quinta-feira. "O comissário Breton está certo ao destacar a importância de garantir que a Internet continue a funcionar sem problemas durante este período crítico. Estamos focados na eficiência da rede há muitos anos, inclusivamente ao fornecer o nosso serrviço de ligação aberta gratuitamente para empresas de telecomunicações, anunciou o porta-voz.

A Netflix fez saber que já ajusta a qualidade de imagem à capacidade de rede disponível e usa uma rede de entrega especial que mantém a sua biblioteca de vídeos mais próxima dos utilizadores, de forma a consumir menos largura de banda.

O Facebook também reconheceu esta quarta-feira que os efeitos da pandemia estão a levar a rede social ao limite. O CEO da empresa, Mark Zukerberg, disse que os serviços do Facebook estão a enfrentar "grandes ondas" de utilização, já que o coronavírus tem forçado milhões de pessoa em todo o mundo a ficar em casa. Zuckeberg frisou que este aumentou de utilização do Facebook vai "muito além" do principal pico anual, geralmente visto na véspera de Ano Novo.

Siga aqui todos os desenvolvimentos do surto.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG