Turquia critica sanções "ilegítimas" da União Europeia

Ancara rejeitou a decisão da UE de adotar sanções pelas suas atividades controversas no Mediterrâneo Oriental, mas não fica sujeito a embargo de venda de armas.

A Turquia rejeitou na sexta-feira a decisão da União Europeia de adotar sanções contra ele pelas suas actividades no Mediterrâneo Oriental, qualificando-o de "tendencioso e ilegítimo". "Rejeitamos esta atitude tendenciosa e ilegítima nas conclusões da cimeira da UE", reagiu o Ministério dos Negócios Estrangeiros turco numa declaração.

Os líderes da UE reunidos numa cimeira em Bruxelas na quinta-feira e sexta-feira decidiram punir as ações "ilegais e agressivas" da Turquia no Mediterrâneo contra a Grécia e Chipre. A cimeira adotou sanções individuais que devem visar os envolvidos nas atividades de exploração no Mediterrâneo oriental. A lista de pessoas sujeitas a sanções deverá ser elaborada nas próximas semanas.

O presidente francês Emmanuel Macron, que apoia a Grécia, saudou a "firmeza" da UE na Turquia, mas o presidente turco Recep Tayyip Erdogan minimizou os planos do bloco. Já na quarta-feira dissera que possíveis sanções da UE "não eram uma grande preocupação" para o seu país. Na sexta regozijou-se ao dizer alguns "países da UE com bom senso demonstraram uma abordagem positiva e frustraram este jogo".

"Temos relações políticas e económicas profundamente enraizadas tanto com os EUA como com a UE que nenhum deles pode jamais ignorar ou arriscar perder", disse Erdogan num outro discurso mais tarde, na sexta-feira.

Numa aparente tentativa de baixar as tensões, disse: "Nunca demos nem daremos qualquer passo que possa prejudicar o espírito destas relações..

Os trabalhos de exploração de gás pela Turquia em zonas marítimas disputadas com a Grécia e Chipre esteve no centro da tensão durante meses. A crise entre Atenas e Ancara intensificou-se com o destacamento do navio de investigação sísmica Oruç Reis, em agosto, para zonas marítimas em disputa.

Num aparente gesto de apaziguamento, Ancara anunciou no final de novembro o regresso do Oruç Reis.

A falta de consenso entre os Estados-membros bloqueou sanções económicas mais amplas e impediu a tentativa da Grécia de impor um embargo europeu de armas a Ancara. "Este é o resultado da discussão", disse um diplomata ocidental sobre a reunião de quinta-feira.

"Vê-se que parte das expectativas do público que foram levantadas por alguns países europeus não estão presentes nas conclusões e que certas coisas que foram divulgadas publicamente, incluindo um embargo de armas, não constavam das conclusões", acrescentou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG