Trump sugere injeções de desinfetante e luz forte para tratar covid-19

"Não ouçam os conselhos médicos de Trump", pediu um pneumologista de São Francisco, alertando que até a inalação de lixívia pode causar problemas de saúde graves.

Injetar desinfetante no organismo ou expor o corpo dos doentes a luz ultravioleta - ambos perigosos para a saúde - são sugestões de tratamento para a covid-19 que o presidente dos EUA gostaria de ver os cientistas explorar.

Segundo a BBC, Trump sugeriu os tratamentos depois de um funcionário do governo apresentar os resultados de investigações que indicam que o novo coronavírus parece enfraquecer quando exposto à luz solar e ao calor.

O estudo também mostrou que o cloro pode matar o vírus presente na saliva e em gotículas respiratórias em cinco minutos e que o álcool isopropílico pode matá-lo ainda mais rapidamente.

William Bryan, chefe interino da Direção de Ciência e Tecnologia do Departamento de Segurança Interna dos EUA, descreveu os resultados durante a conferência de imprensa de quinta-feira na Casa Branca. Logo a seguir, Donald Trump disse que era necessário investigar o assunto.

"Então, supondo que atingimos o corpo com uma luz ultravioleta ou uma luz extremamente forte", começou por dizer Trump, dirigindo-se à coordenadora da resposta ao coronavírus da Casa Branca, Deborah Birx, "e penso que terá dito que isso ainda não foi testado e que o irá fazer".

"Vamos supor que consegue trazer a luz para dentro do corpo, através da pele ou de alguma outra forma. E julgo ter ouvido que iria testar isto também. Parece interessante", afirmou o presidente dos EUA.

"E vejo que o desinfetante pode acabar com o vírus num minuto. Um minuto. Haverá alguma forma de o conseguirmos injetar quase como que uma limpeza?", questionou Trump.

Depois, dirigindo-se novamente à coordenadora, perguntou se esta já teria ouvido falar sobre tratar a doença usando "calor ou luz".

Trump, que sublinhou não ser médico, disse que seria bom investigar essa possibilidade.

Sugestões de Trump são "irresponsáveis e perigosas"

A reação da comunidade médica às declarações de Trump foram arrasadoras. Os médicos alertaram que a ideia do presidente poderia ter resultados fatais.

O pneumologista Vin Gupta disse à NBC News: "Essa noção de injetar ou ingerir qualquer tipo de produto de limpeza no corpo é irresponsável e perigosa", afirmou.

"É um método que as pessoas usam quando querem cometer suicídio", disse Kashif Mahmood, médico em Charleston, na Virgínia Ocidental, através de um tweet.

"Como médico, não posso recomendar injetar desinfetante nos pulmões ou usar radiação UV dentro do corpo para tratar a covid-19", acrescentou.

"Não ouçam os conselhos médicos de Trump", pediu John Balmes, pneumologista do Hospital Geral Zuckerberg de São Francisco, alertando que até a inalação de lixívia pode causar problemas de saúde graves.

"A inalação de cloro seria a pior coisa para os pulmões. As vias aéreas e os pulmões não são expostos nem mesmo a um aerossol de desinfetante. Nem mesmo uma baixa diluição de água sanitária ou álcool isopropílico é segura. É um conceito totalmente ridículo", explicou.

Trump já tinha sugerido um medicamento contra a malária, a hidroxicloroquina, como um possível tratamento para o coronavírus, embora tenha parado de o sugerir.

Reagindo às declarações do presidente na noite de quinta-feira, Joe Biden, o democrata que será o provável concorrente de Trump nas eleições de novembro, tuitou: "Luz UV? Injeção de desinfetante? Aqui está uma ideia, Senhor Presidente: mais testes. E equipamento de proteção para os profissionais de saúde", sugeriu.

Esta semana, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA alertaram os norte-americanos para terem cuidado com os produtos de limpeza, pois as vendas de desinfetantes domésticos aumentaram devido à pandemia.

FDA alertou para a venda de curas milagrosas e falsas com lixívia

"As chamadas para os centros de intoxicação aumentaram acentuadamente no início de março de 2020 devido a exposições a produtos de limpeza e desinfetantes", constatou o relatório semanal de morbidade e mortalidade da agência.

A Food and Drug Administration dos EUA alertou contra a ingestão de desinfetantes, citando a venda de curas milagrosas e falsas que contêm cloro ou lixívia e que dizem tratar tudo, desde o autismo, ao HIV e à hepatite.

No site da agência pode ler-se "A FDA recebeu testemunhos de consumidores que sofreram vómitos graves, diarreia severa, pressão arterial baixa - com risco de vida - provocada por desidratação e insuficiência hepática aguda após o consumo desses produtos".

Na semana passada, um juiz federal garantiu uma providência cautelar temporária contra uma organização, conhecida como Igreja de Saúde e Cura Génesis II, por comercializar um produto equivalente ao cloro industrial como tratamento para a covid-19.

Mais Notícias