Falso alarme obriga segurança a retirar Trump do palco em comício

Dois agentes dos Serviços Secretos intervieram quando se aperceberam de um incidente no público

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, regressou ao palco do qual foi retirado no sábado por agentes do Serviço Secreto dos EUA devido a uma eventual ameaça durante um comício em Reno, no estado do Nevada.

O magnata nova-iorquino, de 70 anos, reapareceu minutos depois, afirmando: "Ninguém disse que ia ser fácil para nós. Mas nunca nos vão parar".

"Quero agradecer ao Serviço Secreto", disse.

Trump interrompeu o seu discurso devido a algo que sucedia entre o público quando dois agentes do Serviço Secreto subiram ao palco e o retiraram.

Não foram facultados detalhes sobre o incidente, mas as imagens da televisão mostraram parte da multidão a sair a correr, enquanto um grupo de pessoas fazia um círculo em torno de algo ou de alguém.

O Serviço Secreto, que providencia segurança ao Presidente dos Estados Unidos e aos candidatos à Casa Branca, e a polícia local detiveram um homem no comício depois de alguém na multidão ter gritado a palavra "arma", mas garantiram, posteriormente, não ter encontrado nada após buscas no local.

O falso alarme terá sido gerado, segundo indicaram fontes do Departamento de Segurança Nacional ao canal ABC, depois de a multidão ter entrado em pânico quando o homem detido, que estava desarmado, tentou erguer um cartaz. De acordo com a CNN, o homem - identificado como Austyn Crites, levantou um cartaz com as palavras "Republicanos Contra Trump". Terá sido agredido por um grupo de pessoas que estavam nas imediações antes de alguém gritar "arma", dando o alerta que espoletou a retirada do candidato do palco.

Em comunicado, a agência federal indicou que a investigação ao incidente continua e, de acordo com os 'media' locais, a polícia de Reno já libertou o homem.

Notícia atualizada às 10:10

n

Mais Notícias

Outras Notícias GMG