Tribunal egípcio confirma pena de morte para 12 islamitas e pena de prisão máxima para 140

Quatro suspeitos morreram durante o processo

Um tribunal egípcio condenou esta segunda-feira a pena de prisão máxima 140 supostos membros do grupo islamita Irmandade Muçulmana e confirmou a pena de morte para 12 outros acusados, pelo assalto a uma esquadra de polícia em 2013.

Dois menores foram condenados a dez anos de prisão e outros 238 indiciados foram absolvidos por ordem do Tribunal penal da província de Al Minia (centro do país), segundo a agência noticiosa oficial Mena.

A condenação à forca para 12 dos acusados foi emitida em 11 de julho e confirmada esta segunda-feira pelo mesmo tribunal após consulta ao mufti do Egito, Shauqui Alam, a máxima autoridade religiosa do país e sempre consultado nos casos de condenações à morte, mesmo que não tenha poderes vinculativos.

O tribunal anulou as acusações dirigidas contra quatro outros suspeitos, que morreram no decurso do processo.

No Egito, a pena de prisão máxima corresponde a 25 anos de detenção.

O caso relaciona-se com o assalto à esquadra da polícia de Matai, em Minia (sul do Cairo), que resultou na morte de um coronel da polícia em agosto de 2013.

A Irmandade Muçulmana efetuou uma série de ataques a esquadras da polícia e edifícios governamentais em agosto de 2013, em resposta à dispersão violenta pela polícia de um protesto islamita no Cairo que provocou cerca de 750 mortos.

Centenas de membros ou apoiantes da Irmandade Muçulmana foram condenados à morte ou a pesadas penas de prisão desde o derrube do então presidente islamita Mohamed Morsi num golpe de Estado, em 3 de julho de 2013.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG