Três sondagens dão vitória a Clinton sobre Trump

A vantagem da candidata democrata varia entre os dois e os cinco pontos percentuais face ao republicano

Três novas sondagens nacionais dão a vitória da candidata democrata à Casa Branca nas eleições presidenciais da próxima terça-feira. Nas sondagens do Washington Post-ABC News, McClatchy-Marist e Reuters/Ipsos a vantagem de Hillary Clinton sobre o adversário republicano, Donald Trump, vai dos dois aos cinco pontos percentuais.

Na sondagem Washington Post-ABC News, Clinton surge com 47% da intenção de voto, comparada com os 43% de Trump. Na terça-feira, esta mesma sondagem colocada Trump com uma vantagem de um ponto percentual - 46% contra 45% de Clinton - no rescaldo da reabertura do caso dos emails.

Apesar de Clinton voltar a estar à frente, o republicano é visto com sendo alguém que atrai mais confiança do que a democrata (44% contra 39%). As entrevistas foram feitas por telefone entre segunda e quinta-feira a 1419 eleitores e a margem de erro é de três pontos percentuais.

Na sondagem McClatchy-Marist, feita a 940 eleitores entre terça e quinta-feira, a vantagem da democrata é menor: apenas dois pontos percentuais. Clinton surge com 46% das intenções de voto e Trump com 44%, sendo a margem de erro de 3,2 pontos. Na sondagem de setembro, Clinton tinha 48% e Trump 41%.

A terceira sondagem nacional conhecida esta sexta-feira é da Reuters/Ipsos, onde a vantagem da democrata é de cinco pontos percentuais. Contudo, a corrida em alguns dos estados cruciais (swing-states, que tanto votam nos democratas como nos republicanos) está mais renhida.

As entrevistas feitas entre domingo e quinta-feira mostram que 44% dos eleitores apoiam Clinton, contra 39% que apoiam Trump. A vantagem da democrata tem variado ao longo da semana entre os quatro e os sete pontos percentuais nesta sondagem.

Ao nível dos estados, as corridas na Florida, Carolina do Norte e Michigan são agora consideradas incertas ("too close to call"), quando já estiveram confortavelmente nas mãos de Clinton. Mas a projeção diz que a candidata democrata ainda tem 90% de hipótese de vencer as eleições.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG