Ted Cruz: o conservador que todos adoram odiar

O senador do Texas venceu Donald Trump no Iowa, dando um forte impulso à sua campanha para a nomeação republicana para as presidenciais de novembro.

Rafael Edward Cruz nasceu em Calgary em 1970. Filho de uma americana e de um cubano, que fugiu da ilha para escapar ao regime de Fulgencio Batista, ter nascido no Canadá valeu-lhe agora, durante a campanha para a nomeação republicana às presidenciais de 8 de novembro nos EUA, os piores ataques dos adversários. Sobretudo de Donald Trump, com o milionário que Cruz agora derrotou nos caucus do Iowa, a acusá-lo de não ser verdadeiramente americano e, por isso, não poder candidatar-se à Casa Branca.

Mas voltando atrás. Em 1974, a família Cruz muda-se para Houston no Texas e é aí que Rafael começa a usar o nome Ted - uma forma de encaixar mais facilmente.

Formado em Direito em Princeton e Harvard, mais tarde trabalhou com o presidente do Supremo Tribunal William Rehnquist no final dos anos 90, antes de se juntar a um escritório de advogados que tinha como clientes, entre outros, a National Rifle Association, o poderoso lóbi das armas americano.

Foi em Washington que conheceu a mulher, Heidi Nelson, quando ambos trabalharam na campanha de George W. Bush em 2000, ele como conselheiro político, ela como conselheira económica. Com a carreira a obrigá-lo a voltar ao Texas, enquanto ela ficava na capital federal, o casal acabou por viver anos em cidades diferentes. Mesmo quando nasceram as duas filhas. Em 2015, Heidi desistiu da carreira no banco de investimento Goldman Sachs para apoiar o sonho presidencial do marido.

Depois de um início de carreira em Washington, foi no Texas que Cruz fez toda a carreira política. Procurador geral do Estado, em 2012 candidatou-se ao Senado. E venceu, com o apoio do Tea Party, a ala mais radical dos republicanos. Profundamente religioso, o apoio dos evangélicos pode agora ser essencial para o seu sonho de chegar à Casa Branca. Entre outros projetos, se chegar à presidência, Cruz promete apoiar uma "guerra de fé", retirar os fundos públicos para o planeamento familiar, aumentar a deportação de imigrantes ilegais e reforçar a segurança na fronteira com o México.

Conhecido como "o homem mais odiado de Washington", Cruz nunca temeu entrar em choque com os democratas, nem com o próprio partido. Mas mesmo não sendo o candidato mais popular dentro do sistema, já provou no Iowa que talvez seja o único a conseguir contrariar o favoritismo de Donald Trump.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG