Soldado escocês morre durante treino no dia mais quente do ano

O militar morreu exatamente no mesmo local onde, três anos antes, morreram outros três soldados por excesso de calor

Um soldado escocês morreu esta terça-feira enquanto participava num exercício militar em Brecon Beacons, no País de Gales, naquele que foi o dia mais quente do ano no país. O escocês Josh Hoole, de 26 anos, morreu de exaustão devido ao calor enquanto treinava - no mesmo local onde três soldados morreram pelo mesmo motivo em 2013.

Esta terça-feira, as temperaturas atingiram os 33,5 graus em Brecon Beacons. Josh, que pertencia ao regimento de infantaria britânico, fazia um curso para se tornar sargento do seu pelotão, após ter servido duas vezes no Afeganistão.

"Podemos confirmar que um soldado do centro de treinos da infantaria de Catterick morreu dia 19 de julho durante a realização de um treino preparatório para o curso de batalha do pelotão de sargentos em Brecon", declarou um porta-voz do exército ao The Sun.

O ministro da Defesa também confirmou a morte, mas afirmou que ainda é cedo para saber a causa da morte e disse que está a decorrer uma investigação.

Os familiares de Josh disseram que o jovem morreu por desidratação e o ministro está a ser criticado por não ser a primeira vez que um soldado morre durante este treino. Josh Hoole estava noivo e ia casar-se no final deste ano.

Em 2013, os militares Craig Roberts, Edward Maher e James Dunsby morreram nas montanhas de Brecon Beacons enquanto faziam um treino no dia mais quente daquele ano, também no mês de julho. Os três soldados fizeram uma caminhada de cerca de 25 quilómetros com 22 quilos de materiais e equipamento.

Como consequência deste incidente, o ministro da Defesa recebeu na altura uma penalização, a "crown censure", por ter falhado ao aplicar as medidas de segurança necessárias.

Mesmo assim, a viúva de James Dunsby acusou em 2013 o ministro da Defesa e o exército de terem escapado a qualquer "responsabilidade e prestação de contas" sobre as mortes dos militares, segundo o The Sun.

Josh morreu um dia depois de o exército ter anunciado que adotou novas medidas para proteger os militares e impedir mortes deste género. O curso de batalha para sargentos é para soldados de infantaria que se queiram tornar sargentos e é descrito pelo exército como sendo "fisicamente e mentalmente exigente".

O capitão Doug Beattie, responsável pelo curso, afirmou que a exigência é essencial para preparar os soldados. "Tem de ser exigente e não acho que deva haver qualquer alteração para não ser exigente. Acho que ninguém iria querer isso", afirmou o capitão à imprensa britânica.

"Mas ser um exercício difícil não significa que os riscos não sejam avaliados e as precauções para que ninguém se magoe não sejam tomadas", acrescentou. No final, "não se deve especular até termos a certeza de qual foi a causa da morte", afirmou o capitão.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG