Senador brasileiro anti-isolamento morre de covid-19

Convicto aliado de Bolsonaro, defendia cloroquina e referia-se à doença como "vírus chinês". Foi notícia ainda este ano por misterioso envolvimento na morte do marido da deputada Flordelis

O senador brasileiro Arolde de Oliveira, de 83 anos, morreu nesta quarta-feira, dia 21, vítima de covid-19, numa clínica do Rio de Janeiro onde estava internado. Oliveira era conhecido por se referir à doença como "o vírus chinês", por ser feroz crítico do isolamento social, por defender o uso da cloroquina e por elogiar todas as controversas posições de Jair Bolsonaro no combate à pandemia.

"Os números do vírus chinês no mundo e no Brasil demonstram a inutilidade do isolamento social. Autoridades, alarmistas por conveniência, destruíram o setor produtivo e criaram milhões de desempregados. O presidente Jair Bolsonaro, isolado pelo Supremo Tribunal Federal, estava certo desde o início", escreveu, por exemplo, na rede social Twitter, no dia 19 de abril.

Esta foi apenas uma das muitas oportunidades em que o senador do Partido Social Democrático, eleito pelo Rio, se manifestou contrário a medidas que pudessem dificultar a presença de pessoas nas ruas. Defensor ferrenho do governo de Bolsonaro, aplaudiu todos os discursos na televisão e publicações nas redes sociais do presidente, mesmo quando as intervenções contrariavam as autoridades médicas brasileiras e internacionais.

Foi o perfil oficial do político que anunciou o falecimento: "Comunicamos que nesta noite (dia 21 de outubro) o Senhor Jesus recolheu para si nosso amado irmão, Senador Arolde de Oliveira".

Além da formação militar, Arolde de Oliveira destacou-se como líder do grupo de comunicação MK, focado no setor evangélico - detém rádio, sites da internet de conteúdo jornalístico e de vendas de produtos religiosos, editora de música gospel, editora de livros cristãos.

A ligação aos evangélicos levou-o a ele e à sua família a se tornarem íntimos da família de Flordelis, a deputada acusada de ter assassinado o marido, o pastor Anderson do Carmo. Segundo investigações da polícia, o telemóvel de Anderson conectou-se à rede wi-fi de Arolde, na Barra da Tijuca, no Rio, horas depois do assassinato.

Arolde foi deputado federal ao longo de oito legislaturas, navegando por seis partidos, antes de ser eleito senador em 2018.

Mais Notícias