Julen: engenheiros apontam pelo menos mais 24 horas de trabalho

As operações de resgate foram dificultadas pelos materiais do terreno. Depois de terminado o poço vertical, será necessário escavar o túnel horizontal, o que deverá levar até 24 horas.

O coordenador do resgate de Julen, Ángel García Vidal, acredita que será possível chegar ainda nesta noite aos 60 metros de profundidade no túnel paralelo que estão a escavar para tentar encontrar a criança de 2 anos que caiu num furo para prospeção de água há uma semana, em Málaga.

Neste momento, a galeria que estão a escavar, que tem metro e meio de diâmetro, chega a 45 metros de profundidade. "Continuamos a trabalhar intensamente, sem parar", disse numa conferência de imprensa nesta noite, eram 19.00 em Lisboa.

A escavação é dificultada pelos materiais que estão a encontrar. "Vai de materiais duros a outros mais duros. Por isso, em determinados momentos, a velocidade de perfuração é mais lenta e atrasa toda a operação", explicou García Vidal.

Os engenheiros querem chegar à quota dos 60 metros, antes de começar a escavar na horizontal.

"Ao acabar a escavação vertical, será necessário proteger o túnel, o que nos levará então entre cinco e seis horas", explicou. Depois haverá um reforço de terras, que ainda levará mais duas a três horas, e só depois se começará a escavar a galeria horizontal, para chegar ao buraco por onde terá caído Julen.

"O tempo que demorará será determinado pelos materiais que forem sendo encontrados. Segundo a minha opinião e a experiência desta equipa, espera-se que leve até 24 horas", explicou o engenheiro.

A criança de 2 anos caiu há uma semana num poço junto à necrópole da Tumba Del Moro, local turístico em Málaga, na região da Andaluzia. Uma centena de pessoas participam da operação de resgate da criança desde as 14.00 de domingo dia 13, quando o pai do menino e o serviço 112 avisaram a Guarda Civil que ele tinha caído no poço, um buraco para prospeção e busca de água naquela zona de serra.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG