Rapper malaio detido por "insultar o islão"

Este videoclip pode valer até dois anos de prisão um 'rapper' malaio

As autoridades da Malásia prenderam um rapper por causa de um videoclip em que alegadamente se insulta o islão, uma vez que tem imagens de uma mesquita. Wee Meng Chee, conhecido como Namewee, está a ser investigado pela polícia pelo alegado uso de imagens de uma mesquita de Penang e das palavras "Allah" e "Mecca" no vídeo.

O músico de 33 anos é acusado do crime de "profanar um local de culto com a intenção de insultar a religião de qualquer classe", explicou um chefe de polícia de Penang, Mior Faridalathrash Wahid, após o tribunal ter decretado a prisão preventiva.

Namewee não tinha um advogado em tribunal e não se manifestou durante a audiência, nem falou com os jornalistas. A infração pode ser punida com até dois de prisão e uma multa.

Namewee realizou e produziu o vídeo "Oh My God!" para uma banda de Taiwan - foi também Namewee que escreveu e produziu a música. Foi detido no domingo à chegada a Kuala Lumpur, no aeroporto.

Esta não é a primeira vez que o rapper se vê envolvido em polémica na Malásia: em 2007, quando estudava em Taiwan, publicou um vídeo chamado "Negarakuku" - uma referência ao hino nacional, Negaraku, e à palavra na língua hokkien para pénis. Mais tarde pediu desculpa pelo vídeo.

O país é muito sensível a este tipo de casos uma vez que a maioria da população (50,1%) é de origem malaia e religião muçulmana, mas há importantes comunidades de origem chinesa e indiana (22,6% e 6,7% da população, respetivamente) e minorias religiosas que professam o budismo, cristianismo ou hinduísmo. Assim, insultar ou ridicularizar qualquer religião pode ser considerado crime.

com Reuters

Mais Notícias

Outras Notícias GMG