Quatro países árabes exigem ao Qatar encerramento da Al-Jazeera

A 5 de junho, Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos e Bahrein cortaram relações diplomáticas com o Qatar. Agora apresentaram uma lista de exigências para levantar o embargo ao país

A Arábia Saudita e outros países árabes, que cortaram relações com Doha, apresentaram uma lista de exigências para pôr fim à crise, foi hoje noticiado.

Numa lista de 13 pontos - apresentada ao Qatar pelo Kuwait, que está a ajudar a mediar a crise - aqueles países exigiram o encerramento da televisão Al-Jazira, de uma base militar da Turquia no Qatar e uma redução das ligações diplomáticas com o Irão, de acordo com a agência noticiosa Associated Press (AP), que obteve uma cópia da lista, em árabe, de um dos países envolvidos no conflito.

Os quatro países exigiram ainda que Doha corte quaisquer contactos com a Irmandade Muçulmana e outros grupos fundamentalistas islâmicos como o xiita Hezbollah, a Al-Qaida e o Estado Islâmico.

A 5 de junho, Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos, Bahrein cortaram relações diplomáticas com o Qatar, que acusaram de apoio ao terrorismo, na mais grave crise regional desde a guerra do Golfo de 1991.

Os quatro países árabes deram dez dias ao Qatar para cumprir as exigências apresentadas, incluindo uma soma não especificada em compensações.

De acordo com a lista, Doha deve recusar a naturalização de cidadãos daqueles quatro países e expulsar os que se encontram atualmente no Qatar. A medida foi descrita como um esforço para impedir Doha de interferir nos assuntos internos daqueles países.

O Qatar deve ainda entregar todos os indivíduos procurados por terrorismo pelos quatro países, cortar o financiamento de qualquer movimento extremista designado como grupo terrorista pelos Estados Unidos e fornecer informações pormenorizadas sobre membros da oposição financiados por Doha, nomeadamente na Arábia Saudita.

O governo do Qatar ainda não reagiu à lista de exigências.

Se o Qatar concordar, o documento estabelece inspeções mensais no primeiro ano e por trimestre no segundo ano. Nos dez anos seguintes, o Qatar será monitorizado anualmente.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG