Qatar publica resultados preliminares da pirataria informática

O Qatar publicou os resultados preliminares da pirataria contra a sua agência de notícias, que esteve na origem da disputa que o opõe a três vizinhos do Golfo e ao Egito, sem identificar, contudo, os autores.

Num comunicado divulgado na noite de quarta-feira, o Ministério do Interior do Qatar indica que as ações de pirataria informática começaram em abril, um mês antes da publicação pela agência oficial de notícias de declarações controversas do emir, o xeque Tamim ben Hamad Al-Thani.

"A equipa responsável pela investigação confirmou que a pirataria foi feita através de meios técnicos inovadores e usou uma falha no sistema da agência QNA", indicou o Ministério do Interior do Qatar, detalhando que foi instalado em abril um dossiê que foi utilizado no mês seguinte para difundir as "falsas" declarações do emir.

As autoridades do Qatar já tinham afirmado anteriormente ter sido vítimas de 'hackers' que publicaram no portal na internet da QNA afirmações falsas atribuídas ao emir.

O Qatar indicou ter contado com a ajuda do FBI (a polícia federal norte-americana) na investigação, com o relatório preliminar a revelar também a participação de especialistas britânicos.

De acordo com a CNN, que cita como fonte investigadores norte-americanos, piratas russos estiveram na origem do ataque informático, algo que o Kremlin veio negar.

"Estamos fartos de reagir a banalidades difundidas sem qualquer prova. Este tipo de acusações desacredita quem as lança", declarou, na quarta-feira, Andrei Krutskikh, conselheiro do Presidente Vladimir Putin para os assuntos de cibersegurança, citado pela agência russa Interfax.

Segundo os investigadores consultados pelo mesmo canal de televisão norte-americano, o objetivo da Rússia com esse tipo de ataques seria o de criar divisões entre os Estados Unidos e os seus aliados.

As afirmações controversas do emir rompiam com o consenso regional sobre vários temas sensíveis, designadamente o Irão, que era visto como um aliado estratégico.

As declarações atribuídas ao xeque Tamim ben Hamad Al-Thani continham também comentários negativos sobre as relações entre os Estados Unidos e o Qatar, apesar de este ser um importante aliado dos norte-americanos.

Na terça-feira, o Presidente norte-americano, Donald Trump, deu um apoio tácito ao isolamento do Qatar pelos países da região, sugerindo que o pequeno Estado financiava grupos extremistas.

A Arábia Saudita e cinco dos seus aliados, entre os quais o Egito, romperam na segunda-feira as suas relações com o Qatar, acusado de apoiar o terrorismo, provocando uma grave crise diplomática no Médio Oriente.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG