Procuram-se "esquisitos e desajustados" para trabalhar em Downing Street

O principal conselheiro de Boris Johnson fez um pedido inusitado no seu blogue: quer conhecer candidatos "fora da caixa" para trabalharem com ele no novo Governo e rejeita os que estudaram em Oxford ou Cambridge.

O principal conselheiro de Boris Johnson está a pedir candidatos "weirdos and misfits with odd skills [esquisitos e desajustados com competências raras]" para concorrerem a empregos no número 10 da Downing Street, a sede do governo britânico. Dominic Cummings, a quem o ex-primeiro-ministro David Cameron apelidou um dia de "psicopata de carreira", diz que incluir pessoas com este perfil é parte de uma mudança necessária na forma de o governo britânico trabalhar.

O pedido foi divulgado na quinta-feira (2 de janeiro) no blogue de Dominic Cummings, onde o estratega tem, ao longo dos anos, manifestado a sua opinião sobre os mais variados assuntos. Num longo texto, o conselheiro do primeiro-ministro britânico e que liderou a campanha do referendo para o Brexit, diz que o governo quer contratar "um conjunto incomum de pessoas com habilidades e conhecimentos diferentes".

E de que profissionais precisa o novo governo britânico, na opinião de Cummings? Cientistas de dados, desenvolvedores de software, economistas, especialistas em política, gerentes de projetos, especialistas em comunicação, mas também "esquisitos e desajustados com habilidades estranhas".

Cummings acredita que o governo precisa de menos licenciados - como ele próprio - em escolas particulares e na "Oxbridge" - uma junção das duas principais universidades, Oxford e Cambridge. Não, do que a Grã-Bretanha precisa é de "esquisitos super talentosos" e de "algumas verdadeiras 'cartas raras', artistas, pessoas que nunca foram à universidade e lutaram para sair do inferno", escreveu o conselheiro.

"Se quiser descobrir o que é que personagens à volta de Putin podem fazer, ou como as organizações criminosas internacionais exploram falhas na nossa segurança, não vai querer mais licenciados em inglês da Oxbridge que conversam sobre Lacan em jantares com produtores de TV e divulgam notícias falsas sobre notícias falsas ", escreveu ainda.

Cummings, que procura também um assistente pessoal por um ano - que não terá noites livres ou fins de semana, e que será melhor não ter namorado/namorada porque "não terá tempo livre" - quer reunir um grupo de pessoas que o tornem "desnecessário" e mesmo "irrelevante"no espaço de um ano.

O conselheiro de Boris Johnson deixa mesmo um endereço de email: ideasfornumber10@gmail.com para onde os candidatos podem enviar o seu C.V.. E que identifiquem no "assunto" do email se concorrem como gestores, investigadores, analistas de dados ou... desajustados sociais.

Mais Notícias