Prédio de nove andares colapsa na Rússia após explosão

Pelo menos quatro pessoas morreram e mais de 30 apartamentos ficaram destruídos. Fuga de gás estará na origem da explosão

Um edifício residencial de nove andares colapsou esta quinta-feira na cidade russa de Izhevsk, no centro do país, após uma explosão que terá sido provocada por uma alegada fuga de gás. Pelo menos uma pessoa morreu, disse aos jornalistas Aleksandr Brechalov, das autoridades regionais.

O subchefe da polícia russa em Izhevsk, Nikolái Merzliakov, referiu que foram "resgatadas quatro pessoas mortas" de entre os escombros.

"As circunstâncias do acidente estão a ser estudadas. Há mortos e feridos", disse a procuradoria daquela cidade de 650 mil habitantes, pouco tempo depois do acidente.

A France-Presse indicou também que "duas pessoas saíram dos escombros" do edifício, temendo-se que 32 apartamentos tenham ficado destruídos.

As autoridades russas, que descartaram a hipótese de ataque terrorista, já anunciaram a abertura de um inquérito, tendo uma responsável da comissão de inquérito, Vera Filippova, indicado que a investigação admite ter-se tratado da explosão de uma botija de gás.

Incidentes desse tipo são comuns na Rússia, onde o gás de botija é frequentemente utilizado para cozinhar, escreve a Associated Press.

As imagens de televisão mostram a fachada esventrada do edifício, um prédio típico do período soviético, construído em painéis de betão.

A agência russa Interfax, citada pelo Independent, avança que pelo menos duas pessoas foram retiradas com vida de debaixo dos escombros, mas muitas poderão ter ficado soterradas. A operação de resgate e salvamento ainda decorre.

Testemunhas citadas pela imprensa local garantem ter ouvido um barulho de explosão segundos antes de o prédio ruir.

Segundo a RT, os andares do primeiro ao nono colapsaram e mais de 30 apartamentos foram afetados. Os edifícios circundantes foram evacuados.

O imóvel colapsou cerca das 16:41 locais (12:41 em Lisboa), indicam as agências internacionais.

O edifício que ruiu foi construído há 27 anos e ali residiam cerca de 550 pessoas. Já foi aberta uma investigação criminal ao sucedido.

A última explosão grave registada, em fevereiro de 2016, matou sete pessoas em Iaroslavl, perto de Moscovo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG