Pós-Brexit sem avanços (mais uma vez). Negociador da UE diz-se "desiludido e preocupado"

O negociador-chefe da União Europeia para as relações futuras com o Reino Unido no pós-'Brexit', Michel Barnier, afirmou-se "desiludido e preocupado" com a sétima ronda negocial, culminada hoje em Bruxelas, mais uma vez sem progressos.

"Aqueles que esperavam uma aceleração das negociações esta semana ficarão desiludidos. Francamente, pela minha parte, estou desiludido e preocupado, e até um pouco surpreendido, porque o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse-nos em junho que queria acelerar os trabalhos durante o verão. Mas esta semana, tal como na ronda de julho, os negociadores britânicos não mostraram qualquer vontade de progredir em questões fundamentais para a UE", declarou, numa conferência de imprensa na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas.

Michel Barnier lamentou que, "apesar de toda a flexibilidade" demonstrada pela UE nos últimos meses para "trabalhar nas três linhas vermelhas" traçadas por Boris Johnson para esta negociação - o papel do Tribunal de Justiça da UE, sobre a autonomia legislativa do Reino Unido e sobre as pescas -, ainda não tenha observado "uma preocupação recíproca", do lado britânico, com as matérias prioritárias para os 27, que, sublinhou, "são as mesmas desde 2017".

"Resta muito pouco tempo para concluir estas negociações. Para que um acordo entre em vigor em 01 de janeiro de 2021, dentro de quatro meses e 10 dias, um texto jurídico completo deve estar completo no final de outubro o mais tarde, de forma a dar tempo ao Conselho e ao PE, do lado da UE, para se pronunciarem. Resta, portanto, pouco mais de dois meses para encontrar um acordo sobre todos os assuntos da negociação e consolidar um texto e tratar dos anexos técnicos, a serem verificados pelos juristas em todas as línguas", sublinhou, reforçando a mensagem de que os Estados-membros deve

A fase de transição que foi negociada após a saída formal do Reino Unido da UE termina a 31 de dezembro

Reiterando a mensagem deixada após a ronda negocial em julho, Barnier declarou que, "hoje, nesta fase, um acordo entre o Reino Unido e a UE parece improvável".

"Não percebo porque estamos a perder tempo valioso [...] Para ser franco, não estou a ver como deixar para mais tarde as questões mais difíceis", apontou.

Barnier concluiu afirmando que, "apesar do calendário cada vez mais apertado, ainda é possível" um acordo, mas enfatizou que tal só será exequível se os britânicos "estiverem finalmente prontos a apresentar ideias claras, concretas e construtivas por ocasião da próxima ronda negocial, que se realizará em Londres entre 07 a 11 de setembro próximo".

A fase de transição que foi negociada após a saída formal do Reino Unido da UE, a 31 de janeiro deste ano, e que manteve o acesso do país ao mercado único europeu e à união aduaneira, termina a 31 de dezembro.

Se UE e Reino Unido não conseguirem chegar a um acordo atempadamente, apenas as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), nomeadamente os direitos aduaneiros, serão aplicáveis a partir de janeiro de 2021 às relações comerciais entre Londres e os 27.

Mais Notícias