Pelo menos nove crianças mortas em desabamentos causados pelas chuvas

Pelo menos nove crianças morreram no desabamento de casas e muros devido às fortes chuvas que caíram em Niamey nos últimos dias, anunciaram hoje as autoridades do Níger.

"Temos, neste momento, nove mortes a lamentar, todas de crianças, no desmoronamento de casas e queda de muros em diferentes bairros", declarou à imprensa o secretário-geral do governo regional de Niamey, Zourkaleïni Maïga.

"Quatro dos meus filhos abrigaram-se junto ao muro de uma casa vizinha, três morreram quando o muro ruiu", explicou uma mãe a uma televisão local.

A chuva causou também grandes danos materiais num dos principais mercados do centro da capital do Níger.

A estação das chuvas, que dura entre três e quatro meses, acaba de começar no país que é regularmente vítima de graves crises de falta de alimentos devido à seca e às cheias.

Em meados de maio, a ONU fez soar o alarme sobre os riscos de novas cheias este ano, que poderiam afetar "mais de 106.000 pessoas" naquele país pobre da África ocidental.

O Níger e os seus parceiros já elaboraram um "Plano de Apoio" de 6,5 milhões de dólares para as pessoas que foram afetadas pelas intempéries, garante a ONU.

As duas estações públicas de televisão do Níger, a Télé-Sahel e a Tal-TV, interromperam na terça-feira à noite as emissões, por causa das fortes chuvas que inundaram as suas instalações em Niamey, indicou a direção.

A Télé-Sahel recomeçou a emitir hoje à noite, constatou a agência francesa AFP.

Em 2016, pelo menos 50 pessoas morreram em cheias que atingiram 145.000 pessoas, nomeadamente nas regiões desérticas de Agadez e Tahoua.

Sete pessoas morreram em Abidjan, capital económica da vizinha Costa do Marfim, no final de maio, em deslizamentos de terra igualmente desencadeados por chuvas diluvianas.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG