Pelo menos 15 pessoas torturadas e queimadas vivas no México

"Uma tragédia sem precedentes", diz o município de San Mateo del Mar sobre o homicídio de 15 pessoas na cidade de Huazantlán del Río. Foram torturadas e queimadas vivas.

Pelo menos 15 pessoas foram assassinadas na comunidade indígena Ikoots San Mateo del Mar, no estado mexicano de Oaxaca, no sul do país, informaram na segunda-feira as autoridades locais.

"Uma tragédia sem precedentes aconteceu ontem [domingo] à noite", afirmou o município de San Mateo del Mar num comunicado em que deu conta do homicídio de 15 pessoas na cidade de Huazantlán del Río, torturadas e queimadas vivas.

As autoridades locais informaram que duas mulheres e 13 homens foram "torturados e queimados vivos" por defenderem o direito a manifestarem-se, após denunciarem uma suposta detenção ilegal ocorrida dias antes.

Os supostos autores dos homicídios pertencem a um grupo criminoso que quer controlar o município para beneficiar da sua localização estratégica nas redes de tráfico de pessoas sem documentos e armazenamento de combustível roubado.

Autoridades conseguiram resgatar duas pessoas com vida

As autoridades disseram que os agentes da Guarda Nacional foram capazes de "dispersar parcialmente" os ataques, evitando uma tragédia de maiores proporções, ainda que tenham apenas conseguido resgatar duas pessoas vivas.

O Procurador-Geral do Estado de Oaxaca informou em comunicado que abriu uma investigação sobre os "atos violentos" ocorridos em 21 e 22 de junho.

As autoridades estaduais confirmaram as 15 mortes e observaram que os corpos "apresentam contusões e queimaduras parciais", faltando ainda efetuar as autópsias para determinar as causas dos óbitos.

Até ao momento, apenas quatro das 15 vítimas foram identificadas, enquanto um ferido foi transportado para um hospital na cidade de Salina Cruz, Oaxaca.

O Ministério Público informou que mais de 100 elementos das autoridades federais, estaduais e municipais, bem como agentes de diferentes empresas de segurança, foram destacados para a investigação.

Mais Notícias