Partido populista alemão quer o sul da Europa fora do euro

"Os franceses têm [uma cultura] diferente, já para não falar dos italianos, espanhóis, portugueses e gregos", disse o líder do partido, Jörg Meuthen

O partido populista alemão Alternative für Deutschland defende que a França e os países do sul da Europa deveriam ser excluídos da moeda única europeia, de acordo com declarações de altos responsáveis do AfD hoje publicadas.

"Podemos ter uma moeda comum com a Holanda, Áustria, Finlândia ou com os países do Báltico. Têm culturas de estabilidade como a nossa", afirmou Jörg Meuthen, co-líder do AfD, ao diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, declarações que serão publicadas na segunda-feira e hoje divulgadas pela agência France Press.

"Mas os franceses têm [uma cultura] diferente, já para não falar dos italianos, espanhóis, portugueses e gregos. Esses não querem qualquer tipo de austeridade", afirmou o copresidente do AfD, um partido constituído há três anos com um discurso anti-euro, mas que hoje exibe como sua principal bandeira posições anti-imigração.

Interrogado sobre se o seu partido defende a saída de França da moeda única, o vice-presidente do AfD, Alexander Gauland afirmou que "ninguém quer tirar a França. Mas a França é seguramente um problema político para o qual não tenho nenhuma solução", acrescentou.

No plano dos princípios, disse ainda Gauland, é bom para a França partilhar a moeda comum, "mas se não quer ou não consegue suportar essa participação economicamente, então tem que procurar outras estruturas".

O AfD teve entre 12% e 14% dos votos em três estados importantes nas últimas eleições regionais na Alemanha em março. Está agora representado em metade das 16 assembleias regionais alemãs e no Parlamento Europeu e tem perspetivas de aceder ao parlamento nacional alemão nas próximas legislativas, previstas para o final do próximo ano.

A França, segunda maior economia da zona do euro, tem-se debatido com uma subida constante da dívida pública e do desemprego. A dívida pública francesa está em 96,2% do produto interno bruto, em 2,1 biliões de euros, e com tendência de crescimento neste e no próximo ano.

A taxa do desemprego em França está nos 10% e também em curva ascendente.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG