"Parámos o mar". É assim que Veneza está a travar as inundações da tempestade Alex

A barreira Moisés. Projeto polémico de milhões de euros, que deveria ter sido concluído em 2016, foi finalmente testado este sábado e resultou. Barreira Moisés impediu inundações na cidade.

As imagens da principal praça de Veneza - a praça de São Marcos - inundada não são raras. Mas, este ano, a câmara apresentou a conclusão de uma barragem, a que deram o nome de Moisés, para prevenir a subida do nível da água com a chegada da tempestade Alex. Este sábado foi o primeiro teste e os resultados são animadores: as passadeiras criadas na cidade italiana para as pessoas circularem com as cheias não foram necessárias.

"Parámos o mar". Foi assim que o presidente da câmara de Veneza, Luigi Brugnaro, se dirigiu aos jornalistas, esta manhã, num encontro marcado para explicar os resultados do projeto Moisés. "Hoje está tudo seco. Já aconteceram muitas coisas más aqui, mas esta foi maravilhosa", continuou o governante, citado pela agência Reuters.

Depois dos meteorologistas terem previsto uma subida do nível da água de 1,30 m para este sábado, os habitantes da cidade e os turistas mostraram-se aliviados por a solução encontrada ter conseguido impedir as ondas de chegarem a terra.

Esta barragem - há muito pedida pelos italianos e envolta em várias polémicas de corrupção - é composta por 78 barreiras amarelas, financiadas por fundos europeus. Custou milhares de milhões de euros e estava a ser construída desde 2003. A data final da obra estava marcada para 2016, mas levou mais quatro anos até chegar ao primeiro teste.

Veio em boa altura. De ano para ano, as cheias em Veneza tornam-se mais complicadas por causa do efeito das alterações climáticas. No ano passado, em novembro, a água atingiu o nível mais alto desde 1966, tendo-se registado duas vítimas mortais na sequência das cheias.

A marca da água atingiu 1,87 metros, o que significa que mais de 85% da cidade foi inundada. O nível mais alto registado até agora foi de 1,98 metros durante as inundações em 1966.

Mais Notícias