Os heróis suecos que salvaram a vítima de violação em Stanford

A jovem de 23 anos descreve os dois suecos, que não conhece, como "heróis"

A história da aluna da universidade de Stanford vítima de violação que viu o agressor ser condenado a apenas seis meses prisão tem dois "heróis" improváveis: os dois estudantes suecos que se depararam com a cena, sentiram que algo estava errado e resolveram intervir.

Na carta de 12 páginas que a vítima escreveu para ser lida em tribunal, esta diz que os dois homens, que não conhece, foram "heróis".

Carl-Fredrik Arndt e Peter Jonsson, dois alunos de doutoramento suecos, iam a caminho de uma festa, de bicicleta, quando viram Brock Turner em cima da vítima, atrás de um caixote de lixo do campus da universidade, e estranharam a cena. "Vimos que ela não se estava a mexer", explicou Arndt a um jornal sueco.

Os dois decidiram abordar Turner, que depois de uma breve troca de palavras tentou fugir. Jonsson perseguiu-o enquanto Arndt ficou com a rapariga e chamava a polícia. Os dois mantiveram o jovem imobilizado até a polícia chegar, relataram o que viram e testemunharam no julgamento.

Em março passado um júri considerou Brock Allen Turner culpado, mas o jovem de 20 anos viu um juiz dar-lhe uma pena de seis meses, com a justificação de que temia que uma pena mais longa tivesse um "severo impacto" na vida de Turner.

A vítima, agora com 23 anos, disse ao site Buzzfeed que estava desiludida com a sentença "suave" e com raiva por Turner ainda negar a violação.

A vítima, que não foi identificada pelas autoridades, agradeceu aos dois suecos na carta que escreveu e que o site Buzzfeed tornou pública na semana passada. "Obrigada aos dois homens que me salvaram e que ainda não conheci. Durmo com duas bicicletas que desenhei em cima da minha cama para me lembrar que há heróis nesta história. Que olhamos uns pelos outros. Ter conhecido todas estas pessoas, ter sentido a sua proteção e amor, é algo que nunca vou esquecer."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG