Oposição quer sanções da UE contra Maduro

Antigo presidente da Câmara de Caracas denuncia "perseguição política" que se vive no país e pede aos Estados europeus que sancionem violações aos direitos humanos.

O Prémio Sakharov é hoje entregue no Parlamento Europeu ao antigo presidente da Câmara de Caracas, Antonio Ledezma, em representação da oposição ao regime de Nicolás Maduro. Exilado em Madrid desde 18 de novembro, após ter escapado da capital venezuelana, onde se encontrava sob prisão domiciliária, Ledezma vai pedir à União Europeia UE) que siga o exemplo dos Estados Unidos e do Canadá e imponha sanções ao governo de Caracas.

Numa entrevista à Euronews, Ledezma considerou importante a decisão já tomada por Bruxelas de suspender a entrega de armas ao "governo de Nicolás Maduro que lhe permitem cometer crimes contra os direitos humanos". Mas salientou ser fundamental que estas se estendam "a pessoas relacionadas" e responsáveis por aquelas violações ou envolvidas no "tráfico de droga ou na corrupção". Esta "é a via a seguir pela UE", disse o antigo autarca de Caracas, fazendo notar que, em sua opinião, "o povo venezuelano está hoje sequestrado" por um regime autoritário e em que "grassa a perseguição política".

A referência às questões da corrupção relaciona-se com um escândalo que está a afetar a petrolífera estatal. Mais de 40 pessoas foram detidas sob acusação de "dano patrimonial à Petróleos de Venezuela no valor de 1,1 milhões de dólares", segundo determinou a procuradoria-geral do país.

Ledezma chamou ainda a atenção para a grave crise humanitária que se vive na Venezuela, com escassez de produtos alimentares, medicamentos e outros bens essenciais.

Além de Ledezma, estará também presente o presidente da Assembleia Nacional dissolvida, em agosto último, por decisão da Assembleia Constituinte. Esta foi eleita a 30 de julho numa manobra política para impedir que a oposição, largamente maioritária na primeira, pudesse legislar.

A oposição desencadeou então uma campanha de protestos públicos contra Maduro e o seu regime, cuja repressão produziu cerca de 125 mortos.

A entrega do Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento à oposição venezuelana sucede numa conjuntura em que esta negoceia, na República Dominicana, com representantes do regime uma solução para o impasse político que se vive no país. A mais recente ronda de negociações decorreu no início do mês. Nova reunião está agendada para a próxima sexta-feira igualmente na República Dominicana.

Nas negociações, os representantes da oposição tentam obter garantias para que as eleições presidenciais decorram de forma livre e sem interferência do poder político.

No entanto, não há grandes expectativas de que qualquer que seja o candidato da oposição (e poderão surgir vários atendendo a divergências), esta consiga desalojar Maduro da presidência. Tanto mais que algumas figuras mais populares da oposição, como o ex-governador do estado de Miranda, Henrique Capriles, ou o dirigente de Voluntad Popular, Leopoldo López, estão impedidos de concorrer.

"Irão desaparecer"

Por outro lado, Maduro deixou no ar a ameaça de proibir os partidos que não participaram nas eleições municipais do passado domingo. Falando após a votação, o presidente venezuelano declarou que "partido que não participou hoje e apelou ao boicote, não pode participar mais" e "irão desaparecer do mapa político", ameaçou.

As três principais formações da oposição, a Voluntad Popular, a Primero Justicia, de Capriles, e ainda a Acción Democrática, do ex-presidente do Parlamento, Henry Ramos Allup, apelaram ao boicote das municipais, o que permitiu ao Partido Socialista Unido de Venezuela (PSUV), no poder, obter a maioria absoluta nas mais de 300 câmaras do país.

Aquelas forças da oposição recusaram participar na votação, alegando falta de confiança no Conselho Nacional Eleitoral, órgão de supervisão do escrutínio.

As palavras de Maduro foram imediatamente criticadas pelo Departamento de Estado americano, com a porta-voz Heather Nauert a escrever no Twitter que "a tentativa de Maduro de proibir os partidos da oposição nas eleições presidenciais é outra medida extrema para fechar o espaço democrático na Venezuela e consolidar o poder do seu regime autoritário".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG