O silêncio de Bolsonaro quando o Brasil ultrapassa as 50 mil mortes

Jornais brasileiros de todos os quadrantes criticam o fato de não existir nenhum comentário do presidente em relação ao marco negro que foi ultrapassado no domingo.

O presidente do Brasil está a ser criticado por não fazer nenhuma referência às mais de 50 mil mortes que a covid-19 já causou no país, um número que foi ultrapassado no domingo.

De acordo com uma base de dados desenvolvida por um consórcio de meios de comunicação social que depende de estatísticas dos governos regionais, o país atingiu esta segunda-feira um total de 50.737 mortes, tem quase 1,1 milhões de casos e é um dos principais polos mundiais da pandemia.

Bolsonaro, no entanto, não comentou os números nem prestou homenagem às vítimas mortais e famílias, destaca o Guardian.

"Apesar dos marcos trágicos que alcançámos nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro não disse nada sobre as vítimas ou sobre a luta contra esta doença", lê-se no "jornal conservador Estado de São Paulo" desta segunda-feira, escreve o jornal britânico.

Mortes por covid-19 superam as mortes devido a violência armada

"Também ficou em silêncio nas redes sociais", acrescentou o Estado de São Paulo, que aponta ainda como, ao ignorar o número de vítimas da pandemia, o governo de Bolsonaro está a tentar esconder o fato de que a covid-19 já roubou mais vidas brasileiras do que os tiroteios e balas perdidas durante todo o ano de 2019.

No seu editorial, o jornal O Globo de hoje diz também que não há dúvida de que Bolsonaro assumiu a responsabilidade do que ainda é "uma tragédia inacabada".

"O mais assustador é que, segundo a OMS, o Brasil ainda não atingiu o pico da epidemia.", lê-se no artigo.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 469 mil mortos e infetou quase 9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias