O escândalo sexual que tramou o líder da universidade cristã e apoiante de Trump

O presidente da Liberty University foi forçado de demitir-se depois de ser envolvido num alegado triângulo amoroso em que fazia o papel de voyeur num caso entre a mulher e um empregado que limpava a piscina da casa.

Jerry Falwell Jr. é um dos maiores apoiantes de Donald Trump, um exemplo para a comunidade cristã dos Estados Unidos e o presidente da Liberty University, a famosa faculdade evangélica do Estado da Virgínia que obriga os alunos a cumprir um rígido código de honra que proíbe a promiscuidade sexual, sexo antes do casamento e o álcool. Nesta semana, contudo, viu-se envolvido num escândalo sexual, caiu em desgraça e foi forçado a demitir-se do cargo.

O presidente da Liberty University, tida como uma das maiores universidades cristãs do mundo, concordou em deixar o cargo que ocupava desde 2007 (depois da morte do seu pai, um conhecido pastor evangélico que fundou a faculdade) depois de terem sido denunciadas uma série de revelações que o implicavam num escândalo sexual, um suposto triângulo amoroso que o metia a ele, à mulher e a um amante da mulher.

Antes deste último escândalo, Jerry Falwell Jr. já tinha sido obrigado pela faculdade a tirar uns dias de descanso. Tudo porque apareceu nas redes sociais uma fotografia sua de braguilha aberta abraçado a uma jovem.

Mas o verdadeiro escândalo rebentou nesta semana, quando Giancarlo Granda confirmou à Reuters que manteve um relacionamento sexual de seis anos com a mulher do líder evangélico (também ela uma voz importante na comunidade cristã) e que Jerry sabia de tudo e concordava, assumido um papel de voyeur. "Becki e eu desenvolvemos um relacionamento íntimo e Jerry gostava de assistir do canto da sala", disse Granda numa entrevista.

Giancarlo Granda, hoje com 29 anos, era o rapaz de tratava da piscina da casa do casal.

Um advogado de Falwell Jr. entretanto, referiu à Reuters, antes de a entrevista ser publicada, que o seu cliente "negava categoricamente tudo o que seria publicado sobre ele".

No domingo, Falwell Jr. mudou um pouco a versão e divulgou um comunicado, através do jornal Washington Examiner, onde admitia que a sua mulher tinha mantido um caso extraconjugal, mas que ele nunca esteve envolvido na trama, denunciando uma suposta chantagem de Granda.

Jerry assegurou que nunca esteve implicado na relação, nem como voyeur, e descreveu a relação da mulher com o rapaz que tratava da piscina como uma "situação de atração fatal", que custou ao casal ameaças, momentos de terror e chantagens da parte de Giancarlo Granda.

Falwell Jr., grande apoiante de Donald Trump, casou-se com Becki em 1987. O casal tem três filhos.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG