Números estabilizam em Itália. Já se pondera sobre o fim do isolamento

Com 604 mortes e 3039 novos casos - o número mais baixo desde 13 de março - nesta terça-feira, as autoridades italianas discutem se é possível sair do bloqueio quase total da economia. Mas as dúvidas persistem.

O primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte consultou os principais cientistas do país esta terça-feira sobre as formas de terminar com segurança um confinamento que dura já há um mês com o objetivo de conter uma pandemia que matou milhares e deixou milhões de desempregados.

A videoconferência de Conte com o comité científico do governo ocorreu uma semana antes do final previsto do confinamento económico da maioria das empresas e fábricas da Itália.

A paralisação e a proibição de quase todas as atividades ao ar livre ajudaram a retardar a propagação do novo coronavírus que oficialmente matou 17.127 vidas, colocando o pais no topo da tabela a nível global.

O número diário registado atingiu 969 em 27 de março e desde então estabilizou. Há menos mortes a cada dia.

Houve 604 novas mortes nesta terça-feira e o aumento de infeções caiu para uma nova cifra de apenas 2,3%. Esta terça-feira registaram-se 3039 novos casos, o número mais baixo desde 13 de março.

Mas as autoridades de saúde alertam que o surto parece ter atingido o pico apenas por causa dos vários encerramentos e proibições.

Insistem em manter as regras de contenção o maior tempo possível - talvez até que uma vacina seja desenvolvida ou que alguns testes confiáveis ​​possam mostrar quem tem imunidade contra a nova doença.

"Estamos longe do fim", disse o chefe do comité científico Domenico Arcuri a repórteres antes de iniciar as negociações com Conte. "O número de homens e mulheres que morrerão com o vírus continuará a aumentar."

As empresas italianas afirmam que não podem ficar inativas por muito mais tempo.

Um estudo divulgado na terça-feira pelo lobby das pequenas empresas e cooperativas disse que a economia estava a ser submetida a um "choque" que levará pelo menos dois anos a ser superado.

Estima-se que mais da metade dos 1,3 milhão de trabalhadores da construção da Itália e mais de um terço dos 11,4 milhões de funcionários do setor de serviços estejam agora em lay-off.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG