Novo Presidente da Coreia do Sul admite ir a Pyongyang

Moon Jae-In diz que apenas necessitará que as condições necessárias estejam reunidas

O novo Presidente da Coreia do Sul, o liberal Moon Jae-In, afirmou hoje estar disponível para visitar a Coreia do Norte caso estejam reunidas as condições para tal, pouco depois de ter prestado juramento no cargo.

"Estou disponível para ir a qualquer lado, pela paz na península coreana: se necessário irei imediatamente a Washington [e] a Pequim e a Tóquio. Se as condições estiverem reunidas irei a Pyongyang", afirmou.

Moon Jae-in, de 64 anos, do Partido Democrático, iniciou hoje um mandato de cinco anos como Presidente, após vencer as eleições antecipadas de terça-feira com 41,1% dos votos, contra os 24,03% de Hong Joon-pyo, do Partido da Liberdade (da anterior Presidente, Park Geun-hye).

No discurso proferido na cerimónia de posse na Assembleia Nacional, horas depois de ter sido proclamado oficialmente vencedor, Moon comprometeu-se a trabalhar pela paz na península coreana, numa altura de crescentes receios relativamente à expansão do programa de armamento da Coreia do Norte, prometendo "agir rapidamente para resolver a crise de segurança nacional".

Moon Jae-In afirmou que vai "negociar sinceramente" com os Estados Unidos, o principal aliado de Seul, e com a China, o principal parceiro comercial, a controversa instalação de um sistema de defesa antimíssil norte-americano (THAAD), no sul do país.

À semelhança de Washington, Seul garantiu que tem objetivos meramente defensivos, mas Pequim, por exemplo, considerou que o THAAD tem capacidade para reduzir a eficácia dos sistemas de mísseis chineses.

O início do mandato presidencial de cinco anos sem a normal transição de dois meses, devido às eleições antecipadas, vai obrigar Moon a depender, nesta fase inicial, dos ministros e assessores do governo da antecessora, Park Geun-hye.

O novo Presidente deve designar, ainda hoje, o primeiro-ministro, "número dois" na Coreia do Sul, e o chefe de gabinete. As duas escolhas têm de ser aprovada pelo parlamento.

Estas foram as primeiras presidenciais antecipadas desde que a Coreia do Sul voltou a realizar eleições democráticas, em dezembro de 1987, convocadas após a também inédita destituição de um Presidente eleito democraticamente.

Park Geun-hye, de 65 anos, foi destituída e colocada em prisão preventiva em março, começou a ser julgada no início do mês devido ao escândalo de corrupção e de tráfico de influências, conhecido como "Rasputina", arriscando uma pena que pode ir até prisão perpétua.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG