Nobel da Paz de 2017 vai para ONG anti-nuclear

O Comité Nobel norueguês atribuiu o Nobel da Paz de 2017 à Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares

O Comité Nobel norueguês atribuiu o Nobel da Paz de 2017 Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares.(ICAN, na sigla em inglês) pelo trabalho feito para a eliminação de armamento nuclear no mundo.

O Comité Nobel na fundamentação da escolha da ICAN apela aos Estados detentores de armas nucleares que se comprometam a eliminar gradualmente os respetivos arsenais, estimando existir no mundo cerca de 15 mil armas nucleares.

O Comité Nobel destaca na sua fundamentação "o renovado vigor" que as ações da ICAN permitiram dar aos esforços para libertar o mundo dos armamentos nucleares.

Para a presidente do Comité norueguês, Berit Reiss-Andersen, "vivemos num mundo onde o risco de recurso a armas nucleares é maior do que era desde há muito".

Numa primeira reação à escolha, a dirigente da ICAN, Beatrice Fihn, declarou-se "encantada" e considerou um reconhecimento pelo trabalho feito para tornar possível um mundo mais seguro e pacífico.

Numa segunda reação, a porta-voz da organização, Daniela Varano, declarou à Reuters que o Nobel traduz o "reconhecimento do trabalho de todos os ativistas ao longo dos anos e, muito especialmente, dos Hibakusha", isto é, os sobreviventes das duas bombas atómicas lançadas no Japão no final da II Guerra Mundial. "Os seus testemunhos foram determinantes para o sucesso" das campanhas desenvolvidas pela ICAN.

Posteriormente, a ICAN divulgou um comunicado a salientar que, com esta atribuição, "se ilumina o caminho para um mundo livre de armas nucleares".

A escolha da ICAN surge numa conjuntura internacional em que a Coreia do Norte multiplica ensaios nucleares e disparos de mísseis balísticos e em que pode estar em risco o acordo sobre o nuclear iraniano assinado em 2015 entre este país, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia), mais a Alemanha. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estará a preparar-se para indicar no próximo dia 15 ao Congresso do seu país que Teerão não estará a cumprir os temos do acordo.

A decisão do Comité Nobel norueguês verifica-se três meses após a aprovação nas Nações Unidas, no passado dia 7 de julho, do Tratado de Interdição de Armas Nucleares (TPNW, na sigla em inglês) com o voto de 122 Estados. O TPNW não está ainda em vigor, estando dependente da ratificação de, pelo menos, 55 Estados para produzir efeitos. A Reuters escreve que os arsenais nucleares dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU não estão abrangidos.

Antes da atribuição do prémio à ICAN especulava-se se a escolha do Comité Nobel iria incidir na questão nuclear, atendendo à conjuntura de tensões em torno dos programas da Coreia do Norte e do Irão, com alguns analistas a considerarem que o acordo com este último país mereceria a distinção.

Veja aqui o anúncio da atribuição do prémio:

A ICAN é uma organização transnacional que agrupa entidades de mais de cem países, tendo surgido inicialmente na Austrália e apresentada internacionalmente em 2007 na capital austríaca, Viena.

Em 2016, foi distinguido o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pelo acordo de paz com a guerrilha das FARC, que pôs fim a um conflito de mais de meio século.

A decisão do Comité Nobel norueguês incide sobre nomes propostos até 31 de janeiro. Os seus cinco elementos podem acrescentar nomeações. Qualquer pessoa pode ser nomeada, mas as nomeações só podem ser feitas pelas seguintes categorias: membros de governos em funções, deputados e chefes de Estado; membros do Tribunal Internacional de Justiça de Haia e do Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia; membros do Instituto de Direito Internacional; professores universitários das áreas de humanidades e de teologia e religião; reitores e diretores de universidades; diretores de institutos de estudos para a paz e de política internacional; laureados com o Nobel da Paz; responsáveis de organizações distinguidas com o Nobel da Paz; atuais e antigos membros do Comité Nobel norueguês e ex-conselheiros desta entidade. O prémio é anunciado na sexta-feira da primeira semana completa de outubro e a entrega realiza-se a 10 de dezembro em Oslo.

Até hoje, apenas 16 mulheres foram distinguidas com o Nobel da Paz.

A entrega do prémio, no valor de 1,1 milhões de dólares, realiza-se a 10 de dezembro em Oslo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG