"Não à violência". Milhares de pessoas manifestam-se em Minsk

"Viva a Bielorrússia" ou "Não à violência foram algumas das palavras de ordem gritadas pelos manifestantes, carregando flores ou fazendo o "V" da vitória com os dedos.

Milhares de pessoas voltaram este sábado a reunir-se em Minsk, capital da Bielorrússia, em protesto contra a reeleição do Presidente, Alexander Lukashenko, constatou a agência France-Presse (AFP) no local.

Segundo a AFP, milhares de pessoas convergiram para a estação de metro de Pushkinskaya, oeste do centro de Minsk, de forma a homenagear um manifestante que foi morto nas proximidades durante um protesto na última segunda-feira.

"Não à violência!", "Viva a Bielorrússia", foram algumas das palavras de ordem gritadas pelos manifestantes, carregando flores ou fazendo o "V" da vitória com os dedos.

Ao mesmo tempo, entre 500 e 700 pessoas reuniram-se com a família do manifestante morto em torno de seu caixão, exposto noutro bairro da capital, segundo um jornalista da AFP no local.

A multidão dispersou depois, deslocando-se para a estação de metro.

Desde o passado domingo que a Bielorrússia é palco de uma onda de protestos contra a reeleição do Presidente, Alexander Lukashenko, que muitos, incluindo a UE, consideram fraudulenta.

A Comissão Eleitoral Central bielorrussa informou na segunda-feira que Alexander Lukashenko, no poder desde 1994, obteve 80,23% dos votos, que lhe permite cumprir um sexto mandato presidencial consecutivo, um resultado rejeitado pela oposição.

A principal candidata da oposição, Sviatlana Tsikhanouskaya, cujas ações de campanha atraíram multidões de eleitores frustrados com o governo autoritário de 26 anos de Lukashenko, terá obtido apenas 10% dos votos.

Durante a semana, refugiou-se na Lituânia, de onde lançou um apelo para a realização de "massivas manifestações pacíficas" em todo o país durante o fim de semana.

Mais de 6.700 pessoas foram presas desde domingo durante ações de protesto e centenas dos já libertados relataram cenas de tortura sofridas na prisão.

Mais Notícias